31/10/2014

Papa disse em sua homilia de quinta-feira (30): "O diabo existe, não é mito"

O papa Francisco disse em sua homilia nesta quinta-feira (30) no Vaticano que “o diabo não é um mito” e a vida cristã é uma "batalha contra o satanás, o mundo e as paixões da carne”.
Não é a primeira vez que o sumo pontífice fala da existência do diabo e, segundo especialistas na Igreja Católica ouvidos pelo jornal italiano La Repubblica, nenhum dos últimos seis papas têm falado tantas vezes das tentações do mal como o papa argentino. Como bom jesuíta, Francisco têm constantemente alertado os fiéis sobre "as ciladas do diabo".
"Não se pode pensar em uma vida espiritual, uma vida cristã, sem resistir às tentações, sem lutar contra o diabo, sem o uso da armadura de Deus, como disse São Paulo", afirmou o papa. Ele também sublinhou que a vida em Deus deve ser defendida e a luta contra as tentações e o mal “não é um simples confronto, mas uma batalha sempre em curso". Em uma crítica à sociedade contemporânea, o sumo pontífice disse que "esta geração têm sido levada a acreditar que o diabo é um mito, uma figura, uma ideia, a ideia do mal. Mas o mal existe e devemos combatê-lo”.

Big Bang
Nesta semana, outra declaração do papa já tinha sido alvo de especial atenção entre os fiéis e entre a comunidade científica. Francisco reconheceu as teorias do Big Bang e da evolução como corretas e disse que elas não são incompatíveis com a existência de um criador supremo.
As declarações foram feitas nesta segunda em evento na Pontifícia Academia de Ciências, no Vaticano. "Quando lemos no Gênesis [primeiro livro da Bíblia] sobre a criação, corremos o risco de imaginar que Deus tenha agido como um mago, com uma varinha mágica capaz de criar todas as coisas. Mas não é assim", disse.
Em seguida, ele ressaltou que a Teoria do Big Bang, a explicação mais aceita pela comunidade científica atualmente para a origem do mundo, não se opõe à necessidade de existência do criador divino.
O papa demonstrou concordar com a Teoria da Evolução e lembrou, entretanto, que ela "requer que, antes, os seres tenham sido criados". "Deus criou os humanos e permitiu que se desenvolvessem seguindo leis internas que deu a cada um para que alcançassem sua realização", afirmou Francisco.

Com informações do Estadão via BrasilPost

29/10/2014

Site PNF diz que homem destruiu monumento aos 10 mandamentos nos EUA e culpou Satanás

Michael Tate Reed Jr., de 29 anos, foi preso em Oklahoma City (EUA) após destruir o Monumento aos Dez Mandamentos, um controvertido marco da cidade.
De acordo com a polícia, Michael jogou o seu carro contra o monumento, feito de pedra e posto na entrada do Congresso de Oklahoma. A governadora do estado, Mary Fallin, publicou na sua conta no Twitter uma imagem do vandalismo (acima).
A emissora KOCO informou que Michael ainda urinou no monumento, que ficou partido ao meio. A policiais o americano disse que "Satã lhe dissera para fazer aquilo".
Satanistas planejavam erguer um monumento ao lado do marco destruído, mas desistiram da ideia.
"Não queremos que o nosso monumento fique sozinho", explicou Lucien Greaves, da entidade Templo Satânico. "Queremos que o nosso monumento contraste com o dos Dez Mandamentos, como um testamento da liberdade e da tolerância religiosa", acrescentou ela.

Com informações do PNF

Cantor evangélico é encontrado morto

Polícia disse que ele foi morto a pedradas e investiga o caso; ele tinha 32 anos.
O cantor de música gospel Amós Antônio dos Santos, de 32 anos, foi morto a pedradas na cidade de Santa Cruz do Capibaribe, em Pernambuco. Segundo a polícia, o corpo foi achado em um terreno baldio na cidade na segunda-feira (27).
Na quinta-feira (23), ele fez uma apresentação em uma igreja evangélica. A polícia suspeita que ele tenha sido morto no final de semana.
O carro dele estava estacionado em uma garagem próxima ao local onde o cadáver foi achado. A polícia abriu inquérito e investiga o crime.

Com informações do R7

Papa Francisco diz que Evolução e Big Bang são reais

Teoria da Evolução e Big Bang são reais e não contradizem fé cristã, diz Papa Francisco.
Para o Papa, Deus continua na ponta da origem do universo, como um criador que deu liberdade a sua criação de se desenvolver e evoluir
A declaração foi feita durante cerimônia de inauguração de um busto do seu antecessor, Bento XVI, no Vaticano
Por séculos, ciência e religião trilharam caminhos por vezes paralelos, mas quase sempre sem se cruzar. Na manhã desta terça-feira, uma declaração do Papa Francisco alinhou uma das maiores polêmicas entre as duas. Em um evento na Academia Pontifíca de Ciências, o líder da Igreja Católica afirmou que a Teoria da Evolução está correta e não é incompatível com a ideia cristã de que Deus criou o mundo.
“Quando lemos sobre a criação do mundo em Gênesis, corremos o risco de imaginar que Deus era um mágico com uma varinha capaz de fazer tudo. Mas isso não acontece. Deus criou os seres humanos e permitiu que se desenvolvessem de acordo com leis internas que Ele deu a cada um para que alcancem sua realização”, disse.
Por séculos, a leitura literal do livro de Gênesis da Bíblia cristã explicou a criação do mundo. Nos últimos dois séculos, no entanto, a comunidade científica adotou uma versão bem diferente, que é a ideia vigente sobre como se deu a origem da vida no planeta e como ela se desenvolveu.
Para o Papa, Deus continua na ponta da origem do universo, como um criador que deu liberdade à sua criação de se desenvolver e evoluir. Segundo ele, o Big Bang – teoria que diz que o universo foi criado a partir de uma explosão cósmica, cerca de 13,7 bilhões de anos atrás – não contradiz a intervenção do criador divino, mas a exige. “A evolução da natureza não contrasta com a noção de criação, como a evolução pressupõe a criação de seres que evoluem”, completa.
O Papa Pio XII foi quem abriu as portas para a ideia da evolução na Igreja Católica. João Paulo II foi mais longe e disse que a evolução era um fato comprovado. Francisco avança mais e sugere que a evolução estava dentro dos planos divinos.
“Quando, no sexto dia da narrativa do Gênesis, o homem foi criado, Deus dá ao ser humano outra autonomia, uma autonomia que é diferente daquela da natureza, que é a liberdade”, disse o Papa Francisco. “Ele diz ao homem para designar tudo e seguir em frente com a história. Isso o torna responsável pela criação, para que ele possa administrá-la, a fim de desenvolvê-la até o fim dos tempos.”, explica.

Debates
A polêmica da criação do mundo vem sendo alvo de debates intensos na comunidade cristã, especialmente entre cientistas cristãos. No ano passado, o projeto “O Teste da Fé” reuniu depoimentos de cientistas protestantes de áreas como genética, biologia, física e matemática que acreditam que as duas teorias se complementam.
Para a idealizadora do projeto, a britânica Ruth Bancewicz, Gênesis não é um livro científico e não deve ser entendido como tal. Para ela, a estória contada nos primeiros capítulos usa uma descrição geral para dizer que Deus foi responsável pela concepção do mundo. A interpretação literal seria como afirmar que "às 9h Deus fez um arbusto, às 9h15 Ele fez uma árvore". Cientificamente, não haveria minutos suficientes para todo o trabalho.
Entre os defensores do 'casamento' estão a coordenadora do Centro de Voos Espaciais da NASA, Jennifer Wiseman, e Francis Collins, ex-diretor do Projeto Genoma Humano. Complementam os depoimentos neurobiólogos, físicos, astrônomos, matemáticos e doutores em teologia, de universidades como Cambrigde, Oxford e o Massachusetts Institute of Tecnology (MIT). Apesar de acreditar na evolução proposta por Darwin, muitos dos pensadores refutam a ideia de que a teoria seja válida para explicar tudo referente ao homem e à experiência humana.

Com informações do EM

Aplicativo da Bíblia é lançado por Aline Barros

Segundo o blog do Felipe Patury, Aline Barros, é a cantora gospel mais popular do Facebook, com mais de 13 milhões de curtidas no mundo inteiro.
Aline resolveu aproveitar esse capital para vender um aplicativo para celulares e tablets, chamado Bíblia AB.
Nele, Aline conta passagens para o público infantil.
Teve essa ideia ao assistir a seu casal de filhos brincando no celular. “Pensei que seria um jeito interessante de introduzir a Bíblia para as crianças.”

Com informações  no Blog do Felipe Patury

Suzane Von Richthofen casa com presa, que é ex de Elize Matsunaga e deixa de ser evangélica

Suzane Von Richtofen deixa de ser evangélica para se casar no presidio do Tremembé. Sandra Regina atual companheira de Suzane é ex-mulher de Elize Matsunaga. Casal vive em regime de comunhão dentro de cela.
Presa pelo assassinato dos pais, Suzane Von Richthofen que vivia no espaço reservado para as evangélicas, mudou radicalmente de vida dentro do presídio do Tremembé. Com pena a cumprir de 39 anos e 6 meses de prisão, Suzane se casou com Sandra Regina Gomes, condenada a 27 anos de prisão pelo sequestro de uma empresária no estado de São Paulo.
Segundo divulgado na imprensa o relacionamento de Elize Matsunaga e Sandra Regina, havia terminado por causa de Suzane Von Richthofen.
No Tremenbé, as presas podem assinar um documento reconhecendo o relacionamento afetivo, este documento de relacionamento funciona como uma certidão de casamento e permite que as presas vivam uma união dentro do presídio. Em caso de separação, são necessários seis meses para que a presa possa voltar a utilizar a cela especial para casadas.
O relacionamento com Sandra é apontado como um dos principais motivos de Suzane ter negado a progressão para o regime semiaberto, concedido pela juíza da Vara de Execuções Penais de Taubaté, Sueli Zeraik de Oliveira Armani, e não foi aceito pela condenada.

Entenda o Caso Richthofen
Em 2006, Suzane foi condenada a 39 anos de reclusão em presídio de segurança máxima em regime fechado por participar do assassinato dos seus pais. Ela confessou participação no assassinato dos pais em 31 de outubro de 2002. O casal Manfred e Marísia von Richthofen foi morto pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos na mansão onde moravam, na capital paulista.
Na época, Daniel namorava a filha das vítimas. Suzane teria planejado o crime porque não tinha um bom relacionamento com os pais e queria dividir o dinheiro da herança da família com os Cravinhos. Os irmãos também foram presos e condenados ao regime fechado, mas o deixaram em fevereiro de 2013, quando foram para o semiaberto.
Cumprindo pena em regime fechado, a detenta ainda aguarda resposta sobre o pedido feito por sua defesa para a progressão ao regime semiaberto. Em abril desse ano, um exame criminológico sobre Suzane chegou a ser feito, mas foi desconsiderado pela Justiça.

Baseado em informações da CBN

Thalles Roberto afirma que a música dele não é restrita ao público evangélico

Cantor, que acaba de lançar novo disco, pretende alcançar fãs de todas as religiões
Thalles Roberto surgiu como cantor gospel. Mas restringir o trabalho do artista a um nicho seria injusto. Embora algumas de suas letras tenham temática religiosas, o som de Thalles não é só gospel e bebe em fontes como funk, rock e o soul brasileiro da década de 70, como pode ser conferido em seu mais recente CD, IDE.
— Sou evangélico, levo trechos da bíblia para minhas letras, mas não concordo em ser chamado de cantor religioso. Minha música não é restrita para um público apenas. Quero atingir o maior número de pessoas possível.
Com essa ideologia, Thalles tem obtido sucesso no exterior. Nos últimos anos, ele deixou de ser conhecido apenas por aqui, para ganhar destaque também na américa latina e nos Estados Unidos. Essa exposição garantiu ao cantor um contrato com a Motown, clássico selo de música negra americana que revelou gente como Marvin Gaye, Stevie Wonder e Michael Jackson. O feito é relevante, já que ele é o primeiro músico brasileiro a conseguir essa façanha.
— Vou lançar primeiro um EP e depois um disco com músicas em espanhol e inglês por esse selo. Ao ser contratado pela Motown, vi reconhecido meu esforço em resgatar a sonoridade soul e funk.
Nessa nova fase, Thalles pretende variar cada vez mais os espaços em que se apresenta. A fase de tocar apenas em igrejas e espaços religiosos ficou para trás. O cantor é requisitado para feiras agropecuárias, aniversários de cidades e shows em casas noturnas voltadas ao público secular.
— Minha mensagem é pensada para ajudar todos [quem está na igreja, no terreiro ou embaixo da ponte]. Se a pessoa quer melhorar, é com ela que estou falando. Canto a palavra de um Deus que é de todos, não só dos evangélicos. Deus não tem dono.
Nesses espaços não religiosos, Thalles precisa presenciar fãs consumindo bebidas ou fumando. Ex-viciado em drogas e alcool, o cantor diz que não se incomoda com a situação e que o desafio dele é fazer com que as pessoas mudem de postura ao aceitar suas letras e testemunhos.
— Sempre fui muito claro sobre minha relação com as drogas. Nunca escondi nada. Já contei em livro como cheguei ao fundo do poço. Mas não me arrependo de nada e nem julgo as pessoas. Minha música é feita para ajudar quem quer se libertar dos vícios e do mal. Cada um que interprete e utilize a mensagem como quiser.

Baseado em informações do R7 Pop

28/10/2014

Depois de 55 anos, o governo de Cuba autoriza construção de primeira igreja católica

Financiado por doações, espaço receberá até 200 pessoas em Sandino.
Iniciativa sinaliza melhora nas relações com o Vaticano, dizem analistas.
A Igreja Católica anunciou que Cuba permitiu a construção da primeira nova igreja do país em 55 anos. Analistas dizem que esse é um sinal da melhora nas relações entre o Vaticano e o governo comunista cubano.
A igreja está sendo financiada por doações de católicos de Tampa, na Flórida, e será construída na cidade de Sandino, na província ocidental de Pinar del Rio.
A publicação católica “Christian Life” diz que ela terá espaço para 200 pessoas.
A Igreja Católica Cubana teve relações tensas com o governo durante muitos anos após a revolução de 1959, mas elas tem melhorado lentamente nos últimos anos.
Os papas João Paulo II e Bento XVI visitaram a ilha, o governo reconheceu o feriado de Natal e passou a autorizar que missas e homilias fossem transmitidas pela mídia oficial.

Com informações do G1

Em pesquisa, os brasileiros que adulteram creem que Deus perdoa casos extraconjugais

Para 76% dos usuários do site de infidelidade, Deus perdoa odisseias desde que, estas tenham ocorrido por uma boa causa; 45% rezam a Deus por perdão.
A preferência destes adúlteros cristãos brasileiros é de serem perdoados pelo seu cônjuge do que por Deus. Esta é uma das principais conclusões de uma pesquisa feita por uma rede social de infidelidade sobre como os adúlteros tratam da relação traição x religião.
De acordo com o site Victoria Milan, que entrevistou 3.544 infiéis brasileiros cadastrados na rede, 76% dos usuários acreditam que Deus perdoará suas odisseias infiéis, desde que estas tenham ocorrido por uma boa causa. No entanto, este mesmo grupo não procura ativamente oportunidades para obter perdão divino, seja em uma confissão ou habitual oração.
O questionário revelou também que a maior parte dos infiéis (54%) acredita ser mais importante o perdão conjugal do que o divino.
Para Sigurd Vedal, fundador do site, os resultados demonstram uma disposição para acreditar mais facilmente no perdão de Deus do que no do parceiro.
"A nossa pesquisa nos mostra que o cristianismo não é visto como sendo uma religião promíscua, pelo menos não mais do que outra religião qualquer, embora os cristãos priorizem o impacto da infidelidade no seu cônjuge em detrimento daquele que é causado na sua fé", diz.
"Eles acreditam veemente que Deus perdoria sua infidelidade, enquanto a vontade do parceiro não parece igualmente benevolente", opinou.

As perguntas foram realizadas com 3.544 brasileiros pesquisados:

- É cristão?
Sim - 82%
Não - 18%

- Considera o cristianismo uma religião de pessoas infiéis?
Sim - 9%
Não - 45%
Não mais do que as restantes - 46%

- Acredita que Deus perdoa casos extraconjugais, caso ocorram por uma boa razão/causa?
Sim - 76%
Não - 24%

- Reza a Deus pelo perdão da sua infidelidade?
Sim - 45%
Não - 55%

- Acredita que se tornasse mais religioso se parasse de trair?
Sim - 12%
Não - 88%

- Acredita ser mais importante o perdão de Deus ou o do seu cônjuge?
De Deus - 46%
Do Cônjuge - 54%

- Considera festividades Cristãs, tais como o Dia de Todos os Santos, uma boa ocasião para compensar os seus pecados e procurar o perdão?
Sim - 36%
Não - 64%

Com informações do Jornal O Tempo

Davi será filme da Warner Bros.


O site Variety informa que a Warner Bros. está desenvolvendo o filme “King David”, que narrará a história do herói bíblico Davi.
Mesmo sem cronograma de filmagem e bem data de estreia, o filme será uma adaptação do livro “David: The Divided Heart”, escrito pelo rabino David Wolpe. O roteiro ficou a cargo de Nick Schoenfeld (curta “Fallen Snow”).
“Davi é o herói e o anti-herói mais complexo da Bíblia”, disse Wolpe. “Ele foi um guerreiro, um prodígio, um poeta, um rei que uniu uma nação e um pecador que se aproximou de Deus. Eu não posso imaginar uma figura bíblica mais cinematográfica”.
Esse não é o único projeto sobre Davi em desenvolvimento. O cineasta Ridley Scott (“O Conselheiro do Crime”) também está produzindo um filme focado na vida de Davi após a sua batalha com o gigante Golias. Scott, por sinal, lança em 25 de dezembro outro filme de temática bíblica, “Êxodo: Deuses e Reis”, centrado em Moisés.

Com informações do Pipoca Moderna

Violência atinge pastores que distribuíam sopa em Teresina

Um grupo de 14 pastores de uma Igreja Evangélica foram assaltados enquanto distribuíam sopa para dependentes químicos e moradores de rua. O fato aconteceu por volta das 3h30 da madrugada do último sábado (25).
Um dos pastores, que não quis se identificar com medo de represálias, informou que ao terminarem as atividades, o grupo foi surpreendido por três assaltantes. Um deles estava armado e mostrou bastante agressividade.
"Depois que eles pegaram os nossos veículos, eles queriam levar uma pessoa de refém. Tentamos conversar, mas o que estava armado foi muito agressivo. Ficamos perplexos com a ação", contou o pastor.
Os assaltantes fizeram um arrastão no grupo de pastores e fugiram. Policiais do 7° DP estão investigando o caso. Eles acreditam que os autores do assalto tenham sido os mesmos que foram atendidos pelos pastores e receberam sopa.
"Esses bandidos devem até ter sido os mesmos que comeram a sopa. Estamos atentos e vamos localizá-los ainda hoje", completou o chefe de investigação do 7° DP, Paulo Afonso. A polícia acredita que os carros roubados estejam escondidos na zona Norte de Teresina.

Com informações do CidadeVerde

26/10/2014

Modelo Naomi Campbell diz que ébola é uma praga enviada por Deus

A manequim – que está organizando dois desfiles para arrecadar fundos para ajudar vítimas do ébola – está apavorada com a possibilidade de poder contrair o vírus e acredita que essa epidemia está prevista na Bíblia.
Naomi Campbell, de 44 anos, afirmou no programa britânico “Celebrity Gogglebox” que está “apavorada”, sublinhando que “está escrito na Bíblia que ia haver uma praga e é isso, eu acho que é o ébola”.
Além disso, também confessou que está a tomar as devidas precauções para não se contaminar com o vírus durante as suas viagens de trabalho ao exterior: “Quero uma roupa espacial. É assustador! Não me importo que as pessoas se riam, mas outro dia embarquei num avião e usei as minhas duas máscaras. Tenho de me sentir protegida, tenho o meu desinfetante e as minhas luvas de borracha. Sem contar que pulverizo o assento do avião. Isso é o que vou fazer todas as vezes que voar a partir de agora”.

Com informações do MoveNotícias

Na cidade de Olinda, Pernambuco, estrutura metálica de igreja desaba sobre fiéis

Houve quatro feridos, que sofreram ferimentos leves e foram encaminhados para a UPA de Olinda.
Uma estrutura metálica da Igreja Casa da Bênção, na Avenida Joaquim Nabuco, no Varadouro, em Olinda, desabou na noite desta sexta-feira. Houve quatro feridos, um deles atendido pelo SAMU e os três restantes, pelo Corpo de Bombeiros.
Todos sofreram escoriações e ferimentos leves, sendo encaminhados para a UPA de Olinda. Não há informações sobre o atual estado de saúde dos quatro feridos.

Com informações do Diário de Pernambuco

Bandido amarra e assalta padre em Sabará, na Grande BH

Ladrão abriu o cofre e levou R$ 3,8 mil em dinheiro do Santuário Santo Antônio.
Um padre viveu momentos de terror nas mãos de um assaltante, na madrugada deste domingo, em Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a Polícia Militar, por volta das 3h40, Flávio da Silva Ramos, de 37 anos, foi surpreendido pelo ladrão em seu quarto, rendido e amarrado com o cinto.
O crime foi no Santuário Santo Antônio, na Avenida Doutor Henrique Antônio Melo, 300, no distrito de Roça Grande. O ladrão abriu o cofre e levou R$ 3,8 mil em dinheiro e outros objetos. A PM não informou se peças sacras foram levadas. O suspeito fugiu e não foi localizado. O caso está sendo registrado na delegacia de plantão de Sabará.

Com informações de O Estado de Minas

Um em cada 50 clérigos anglicanos não acreditam em Deus, diz pesquisa

Um em cada 50 clérigos anglicanos no Reino Unido acredita que Deus é apenas uma construção humana, de acordo com uma nova pesquisa hoje.
Apenas oito em cada dez acreditam que existe um Deus pessoal e mais de três em 100 acreditam que há alguma força espiritual ou de vida.
E, apesar de dois milênios de doutrina da Igreja com base na determinação da mente de Deus através das Escrituras, quase um em cada dez acredita que: "Ninguém pode saber como é Deus."
A pesquisa YouGov com mais de 1.500 clérigos anglicanos encomendado pela Westminster Faith Debates sobre o futuro da Igreja da Inglaterra mostra a crescente aceitação de outras religiões, com mais de quatro em cada dez acreditando que enquanto o cristianismo é o "melhor caminho" a Deus, outras religiões podem oferecer caminhos também.
Embora os resultados devem ser considerados tendo em conta as pequenas amostras, na Escócia, País de Gales e na Irlanda, o clero na Igreja Episcopal da Escócia eram os mais céticos a respeito de Deus, com pouco mais de sete em cada dez acreditando Nele.
Uma característica possivelmente surpreendente a emergir da pesquisa é onde clero recorre para pedir orientação.
Menos de um em cada dez, apenas sete por cento, contam com a família e amigos para que ajudem a viver suas vidas e a tomarem decisões. Apesar dos seus juramentos de obediência aos seus bispos e arcebispos, nem todos contam com os líderes da Igreja na tomada de decisões. Também não confiam na ciência ou na literatura.
Mais de quatro em cada dez dizem preferir recorrer a Deus, um terço confiam em sua própria consciência, na razão e na intuição e quatro por cento contam com a Igreja, tanto no passado como no presente.
A grande maioria se opunham à morte assistida e também a maioria acreditava que, enquanto o clero deve estabelecer os princípios gerais em matéria de casamento do mesmo sexo, morte assistida e aborto, as pessoas devem ser deixadas para decidir por si mesmos. Mais do que o casamento homossexual metade achava que era errado, e quase quatro em cada dez pensam ser correto. O resto afirmam não saber. Sobre esta questão, a Igreja da Inglaterra era a menos liberal e da Igreja no País de Gales a mais liberal.
No balanço, clérigos anglicanos aparecem como socialmente liberal e moralmente conservadora. A maior proporção, 44 ​​por cento, pensam que o orçamento da seguridade é muito baixo. Mais de seis em cada dez pensam que pessoas que dependem dos benefícios foram vítimas de circunstâncias além de seu controle e eles devem ser ajudados pela sociedade. Eles também foram relativamente positivos sobre os efeitos da imigração.
No entanto, quase dois em cada dez acham que o aborto deveria ser banido e mais quatro em cada dez Acham que o limite de tempo para permissão do aborto deve ser reduzida para menos de 24 semanas.
O clero foram altamente auto-críticos. Mais de um terço acredita que o pensamento da Igreja é "abafado e fora de contato" e quase quatro em cada dez acham que é "muito dividido e desorganizado", com quase tantos acreditando ser "muito privilegiado e comodo." Seis em cada dez disse que a Igreja deve manter a unidade por ser mais tolerante com diversos pontos de vista.
Mas os clérigos também observaram o bem que a Igreja faz. Quase sete em cada dez apreciam a sua força no coração das comunidades locais e quase seis em cada dez acredita que trouxe as pessoas mais perto de Deus. Metade disse que a Igreja é um apoio às pessoas necessitadas.
A professora Linda Woodhead, da Westminster Faith Debates, disse: "Em todos a política e a ética são idealistas, e bastante preocupados em proteger os fracos e os pobres, mas essas atitudes agora separam-nos da maioria da população em geral e leigos anglicanos.."
"Também é interessante ver o quão diferentes a maioria dos clérigos mais evangélicos são do resto em muitas de suas atitudes. A posição oficial da Igreja que os anglicanos devem aprender a discordar também parece estar prejudicada por dois terços dos clérigos evangélicos que não acham que vale a pena perseguir um objetivo.

Traduzido do Christian News on Christian Today

24/10/2014

16% é quanto representa os deputados evangélicos eleitos no último pleito

Segundo o site Exame.com, a bancada evangélica no Congresso Nacional, cresceu em 14% após as últimas eleições, e terá mais força em sua luta contra as propostas que julga polêmica, especialmente no tocante a homossexuais e drogas, conforme disseram nessa quinta-feira representantes desse grupo ouvidos pela Agência Efe.
"A minoria evangélica levantará um muro enorme contra esses projetos e estaremos muito atentos às manobras dos ativistas homossexuais", disse o pastor, apresentador e empresário Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.
Independentemente de quem for eleito no domingo que vem como presidente do Brasil, os evangélicos no Congresso sabem que já podem cantar vitória por conta do crescimento da atual representação, que passou de 70 deputados para 80, com o grupo que assumirá em 2015.
Trata-se de uma minoria que representa 16% dos 513 deputados brasileiros e que a Frente Parlamentar Evangélica define como "a maior bancada da história da igreja evangélica no Brasil". Segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), com o reforço dos recém-eleitos dessa confissão, o Brasil terá "o Congresso Nacional mais conservador desde 1964".
"Essa força vai dificultar uma agenda parlamentar liberal em relação à criminalização da homofobia e a descriminalização do aborto, dois assuntos muito presentes nos debates do primeiro turno das eleições, mas que praticamente desapareceram no segundo turno", disse à Agência Efe o cientista político e especialista em assuntos de religião Cesar Romero Jacob, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).
Ele acredita que não haverá necessariamente uma virada à direita com relação a temas econômicos e de inclusão social, mas com relação aos temas de natureza moral haverá uma tendência mais conservadora.
Observadores políticos apontam que a dificuldade na votação de leis mais liberais não se limitará às relativas à moral, mas também às que abordam assuntos como a legalização das drogas, o meio ambiente e o direito dos indígenas.
E isso nem tanto pelo aumento da chamada "bancada evangélica", mas pelo crescimento do número de deputados de outras minorias conservadoras: a rural e a policial.
Malafaia deixa claro que os evangélicos rejeitarão totalmente iniciativas legislativas como a de identidade de gênero, que, segundo ele, é "ativismo homossexual".
"Não vamos nos opor a ensinar às crianças a respeitar os diferentes, mas sim a ensinar "homossexualidade" nas escolas, que é o que querem", enfatizou.
Na última terça-feira, em seu templo na Penha, na zona norte do Rio de Janeiro, Malafaia garantiu com veemência para milhares de fiéis que o ouviam que "os homossexuais pretendem destruir a família, enquanto o governo do PT, desde a época de (Luiz Inácio) Lula da Silva, os financia com milhões de reais".
Diante de seus "seguidores", ele não só critica abertamente a política do governo, como fala sem reservas em quem vai votar nas eleições. Questionado a respeito pela Efe, ele justifica que "o povo é livre para votar em quem quiser, mas eu, como pastor, como pessoa que exerce influência em segmentos sociais, por que não vou exercer essa influência?".
O pastor não acredita que os evangélicos darão uma guinada à direita porque, em sua opinião, "as questões de direita e de esquerda, que no Brasil foram muito fortes, agora estão muito enfraquecidas".
"Há uma esquerda radical, e o resto não consigo decifrar. O que vejo é que essa esquerda abraçou a escória da direita", disse.
O líder religioso atribui o aumento da representação evangélica no Congresso a uma mera consequência do aumento da população evangélica no Brasil, que, segundo o Censo de 2010, é de 22,2% da população, e a maior consciência popular.
Frente a outros coletivos, como o dos católicos, que costumam votar em diferentes partidos conforme a ideologia política individual, o eleitor evangélico vota quase que exclusivamente em candidatos da sua própria igreja, que se dividem em 17 partidos, explicou.
É o que Jacob denomina de "voto cativo obtido pela forte ascendência dos pastores evangélicos sobre seus fiéis quando, na década de 2000 a 2010, a igreja pentecostal brasileira elaborou seu próprio projeto de poder".

Com informações da EFE via Exame.com

Feitiçaria "moderna" diz sofrer preconceito

Bruxos dizem sofrer com preconceito e maioria ainda vive no "armário das vassouras".
Não que isso seja uma exclusividade da capital sul-mato-grossense, mas, em Campo Grande, os poucos bruxos que vivem por aqui sofrem com o preconceito e, por isso, a grande maioria (leia-se 100 ou, no máximo, 120 pessoas), vive no “armário das vassouras”.
“Costumam se esconder. Quando perguntam 'qual é sua religião?' eles respondem: 'Então, eu não sigo nenhuma'. Era o que eu falava”. Quem diz isso é a professora de literatura Elizabeth Bonfim, de 32 anos, que, por muito tempo, foi espiritista, mas deixou de lado a doutrina kardecista para se dedicar à Wicca, a religião dos bruxos e das bruxas.
O amigo, o cabeleireiro Davi Vieira, de 29 anos, que se apresenta como Manrick, usava desculpas parecidas quando também se escondia. Ele é bruxo assumido há 2 anos, mas estuda a religião há 7.
Deixar o “armário” foi difícil, mas, para ele, a decisão foi a mais acertada, apesar dos comentários que teve de ouvir depois. “As pessoas tem muito preconceito. Eu vivia entre o evangelho, a Umbanda e a Wicca. Quando eu falei “vou ser Wicca” muitos falaram: você é maluco? Vai adorar o capeta? Eu falei: Não é o capeta. É o Cernunnus e ele é um deus. Tem essa confusão mesmo”.
É mais que confusão. É Preconceito. Intolerância religiosa, pontua Elizabeth. Por três anos, a professora foi uma seguidora solitária da Wicca. Estudava em casa, sozinha. Só a filha e o marido sabiam. Mas, há dois anos, ela decidiu assumir a crença e encontrou outros wiccanianos no caminho.
Hoje, a mulher, que integra uma minoria na cidade, faz parte de um grupo composto por 10 pessoas que se reúnem, uma vez por mês, para reuniões e celebrações em Campo Grande. Esses são os “assumidos”, brinca.
Os que ainda estão no “armário das vassouras” somam mais de 100. A maioria não assume a crença por conta do preconceito mesmo, reforça. A professora, ao contrário, faz questão de mostrar o rosto e falar a respeito porque tem esse direito e luta para desmistificar os diversos mal entendidos espalhados ao longo de anos.
É quase uma militância. Quem critica, diz, é porque não conhece e, provavelmente, nunca parou, sequer, para pesquisar o assunto. É mais fácil atirar pedras e acreditar no que dizem do que procurar saber a verdade.

O que é?
 “A Wicca é uma religião que se firmou por volta da década de 50, quando Gerald Gardner, um bruxo europeu, começou a pesquisar como eram feitas as cerimônias pagãs. Ele foi iniciado por um coven (grupo de bruxos), que mantinham tradições de forma secreta porque, naquela época, as bruxas eram queimadas na fogueira e tinham que se esconder para permanecer com suas crenças e práticas. Esse povo continuou até 1950, quando ele descobriu tudo. Foi ele quem denominou Wicca, mas Wicca seria o resgate de toda essa cultura ancestral, de antes de Cristo, diz.
Pela definição da UWB (União Wicca do Brasil), a Wiicca é uma religião neopagã, mítica, politeísta, iniciática, de culto dualista e orientação matrifocal. Traduzindo: é uma religião baseada em um sistema mitológico, onde se cultua os deuses da natureza e seus fenômenos.
É politeísta porque é uma crença que cultua vários deuses, e não um todo-poderoso. É iniciática porque, para se tornar membro, é necessário passar por ritos e um período de preparação. É dualista porque prega que, dentro de tudo que existe no universo, existem forças opostas e complementares, como luz e trevas, masculino e feminino.
A orientação matrifocal remete ao matriarcado, estrutura social onde a mulher tem papel de destaque na liderança familiar e religiosa. O feminino era reverenciado nas antigas civilizações e, na religião Wiica, isso é regra.
“Estamos muito acostumados com as religiões patriarcais, as religiões cristãs, que falam de um único Deus, masculino. A Wicca é a religião da Deusa. Vem falar que também existem um princípio feminino, mas, claro, também reconhecemos o masculino. A religião visa o equilíbrio entre os dois e não a supremacia”, esclarece Elizabeth.
A Deusa, a Grande Mãe, tem muitos nomes. “Aí que entra a confusão da religião, porque você pode adotar um panteão (conjunto de deuses) ou não. Essa deusa pode ser apenas um arquétipo (um símbolo, por exemplo)”.
O Deus, como já foi dito, também pode ser vários, mas o Cernunnos, geralmente representado por um homem de barba, com chifres, é um dos mais reverenciados. “Foi a partir dele, esse Deus de chifres, que começaram a falar que os bruxos cultuavam o demônio, sendo que nós não cultuamos o demônio. Ele é um Deus celta, um Deus da natureza”, esclarece.
Esteriótipo e verdade - Infelizmente essa imagem ficou. Foi fortalecida pela “propaganda” da igreja, se arrasta já por centenas de anos e, hoje, chega em forma de preconceito, mesmo que velado.
“Transformaram em uma coisa do mal. E aí ficou o esteriótipo da bruxa e do bruxo, que é aquela pessoa feia, de verruga no nariz, que faz maldades. A realidade é que somos pessoas que gostam da natureza, de estar em contato com ela e que a respeita. Não existe isso de fazer mal as pessoas. Essa é a parte da religião que é totalmente deturpada”.
O nomenclatura bruxo ou bruxa remente às produções cinematográficas e causa, por si só, espanto, mas a origem da palavra, segundo Elizabeth, remete ao inglês arcaico e significa “aquele que molda, que sabe, pessoa sábia, homem ou mulher”. “Por isso que a gente não liga quando falam. Para nós não tem conotação pejorativa”, diz.
Os seguidores da Wicca, além de cultuarem vários deuses, seguem rituais específicos, como os Sabbaths, festivais do Sol, que marcam as estações do ano. O próximo, denominado Beltaine, acontece no dia 31 de outubro e celebra a entrada do verão.
“A gente comemora a fertilidade, o período em que a terra volta a ficar fértil”. Em ritos como esse, são comuns fogueiras, músicas, danças, oferendas e invocação aos deuses.
Nesses encontros os wiccanianos aparecem, geralmente, de preto. É a cor do útero da Deusa, explica Elizabeth. É, também, a do caldeirão, que representa o útero da mãe.
Símbolos e dogmas - A religião Wicca é cheia de símbolos. Tem a vassoura, para limpeza astral, a colher de pau, condutora de energia, e o principal deles: o pentagrama, que simboliza os cinco elementos: “fogo, terra, água, ar e o espírito”, elenca.
Existem feitiços? Existem, mas os trabalhos são feitos para atrair coisas boas, garante. “Prosperidade, saúde, sabedoria, exemplifica”, ao comentar um dos pouquíssimos dogmas da religião: “Tudo o que você faz volta para você três vezes. Não praticamos o mal porque sabemos que, se fizermos isso, ele volta. Isso é uma lei ética”.
A Wicca tem metas, mas não um livro sagrado. “Cada um faz o seu. Chama Livro das Sombras. É onde você anota todos os seus feitiços, intuições, sonhos...” Um fato interessante, dentre vários que chamam a atenção, é que a os adeptos da religião não fazem proselitismo religioso.
“Quem quer aprender vem. Estamos sempre nos reunindo, mas ficar pregando, falando que tem que amar a Deusa, jamais”, finaliza Elizabeth.

Com informações do Campo Grande News

Favorecimento de algumas religiões gera protestos em Moscou

Na capital da Rússia, convivem muitas confissões religiosas. No entanto, o número de templos religiosos não é proporcional ao número de crentes de uma ou outra religião. Na capital russa, surgem movimentos de protesto contra a construção de novas igrejas ortodoxas, templos budistas e muçulmanos.
Em 2011, o governo de Moscou iniciou um programa de construção de 200 igrejas ortodoxas na capital. Agora, o governo planeja dobrar esse número e construir 180 novas igrejas em Nóvaia Moskva (território da região de Moscou recentemente anexado à capital russa).
O diretor do programa e conselheiro do prefeito de Moscou e do Patriarca da Igreja Ortodoxa, Vladímir Résin, disse à Gazeta Russa que o programa é voluntário.
“É realizado somente com doações e é totalmente dependente da demanda dos moradores", disse Résin.
“O Patriarca acha que na capital faltam pelo menos 200 igrejas ortodoxas. Kirill não é apenas o chefe da Igreja Ortodoxa, mas também o bispo da cidade de Moscou. O Patriarca afirma que, entre todas as unidades da Federação, Moscou ocupa a última posição em número de igrejas por pessoa", diz Vladímir Viguiliánski, secretário do Patriarca Kirill.

Movimentos anticlericais moscovitas se manifestaram contra as igrejas ortodoxas.
Mas os protestos contra as construções não foram muito bem-sucedidos. O governo de Moscou concordou em rever alguns projetos, mas em geral o programa continua até hoje.

Muçulmanos
Os muçulmanos também expressam sua insatisfação, porque em Moscou existem apenas quatro mesquitas. A maior delas ainda está em construção. "A Rússia é um país multiétnico e abriga diversas religiões, e representantes de todas as religiões precisam de templos na capital", disse à agência Lenta.ru o mufti de Moscou e da região Central, Albir Krganov.
De acordo com ele, faltam cinco pequenas mesquitas na capital.
“Essa falta é sentida durante as orações de sexta-feira: apenas 10 mil pessoas podem entrar nas quatro mesquitas da cidade, enquanto outros 15 mil a 20 mil muçulmanos são obrigados a rezar na rua”, diz.
Os representantes de outra religião tradicional da Rússia, o budismo, não têm na capital um único templo. No entanto, de acordo com o presidente do Centro Budista Três Jóias, Tatiana Odushpaial, no final de agosto, começou a construção de dois templos no oeste e no norte da capital russa. As áreas para a construção foram escolhidas pela Comissão de Planejamento Urbano e de Terras de Moscou.

Protestos de ortodoxos
Já ativistas ortodoxos se manifestam contra a construção de novos templos budistas e muçulmanos.
A onda de protestos contra a construção de novas mesquitas começou em 2010, com manifestações dos trabalhadores da indústria têxtil no sudeste de Moscou. Os manifestantes expressaram sua insatisfação com os planos de construção de um centro religioso do Islã no distrito.
Em 2012, quando apareceram os primeiros rumores sobre uma mesquita ser erguida no distrito de Mítino, no norte de Moscou, as pessoas saíram às ruas de novo. "No momento, o número de mesquitas atende às necessidades dos residentes permanentes na cidade, não há necessidade de construir novas", diz Résin. Essa posição corresponde à do governo de Moscou, que acredita que a maioria dos crentes que frequentam mesquitas durante os principais feriados muçulmanos não é de moscovitas, mas de imigrantes.
Em 2012, os moscovitas também saíram às ruas para se manifestar contra a construção de um templo budista no distrito de Otrádnoie. Os manifestantes afirmaram que a coexistência de budistas com cristãos, muçulmanos e judeus poderia provocar confrontos interrreligiosos e agravaria os engarrafamentos nas ruas.

Com informações da Gazeta Russa