Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Bispo manda que padre retire estátuas de santos da praça da matriz

Segundo o bispo, estátuas de santos 'ofendem' outras religiões, em Cacoal.
'Quando a casa é sua, você faz o que quiser no quintal', diz coordenador.
As 22 estátuas de santos que estavam sendo feitas para adornarem a praça que circunda a Igreja Sagrada Família, em Cacoal (RO), terão que ganhar outra finalidade. A pedido do bispo Dom Bruno, as seis estátuas que já estão na praça terão que ser realocadas. O motivo, segundo o bispo, é que as esculturas que representam as imagens de santos católicos podem ofender religiosos de outros credos.
O coordenador da igreja, Fernando da Silva Azevedo, é contra a retirada das esculturas. “Fiquei decepcionado com a ordem dada pelo bispo. Acredito que quando a casa é sua, você faz o que quiser no quintal dela. As estátuas são uma forma de lembrar daqueles que já passaram por aqui e deixaram sua história”.
Entre as estátuas que já estão na praça, há imagens de Jesus, Nossa Senhora de Aparecida e Santa Rita de Cássia. Seis já foram colocadas na praça da igreja matriz e as outras estavam esperando para serem postas. As esculturas representam os santos de cada comunidade católica de Cacoal.
A respeito da retirada, Fernando diz que não fará. “Se eles quiserem mesmo retirar, vão fazer sem minha ajuda. Pedi para sair da coordenação da igreja já. Eu prefiro morrer a ter que retirar as estátuas”, considera. "Por mim podia deixar lá as que já estão", opina o padre Valdemir Galdino, responsável pela Igreja Sagrada Família. Questionado sobre o dinheiro gasto na confecção das esculturas, o padre fez apenas um comentário: "já foi". Segundo o pároco, as estátuas serão doadas para as comunidades de cada santo.
Ao G1, o bispo Dom Bruno disse que as estatuetas não têm significado quando figuram na praça da instituição. “Pode-se colocar o símbolo da comunidade, que é a Sagrada Família, mas não todos os santos. Ainda mais da forma como foi feito, sem informar nada para ninguém. Não foi prudente”.
Lá é uma praça pública. Tem que se respeitar as pessoas de outras religiões" Dom Bruno, bispo de Ji-Paraná.
Para Dom Bruno, a questão também é de respeito a outras pessoas. “Lá é uma praça pública. Tem que se respeitar as pessoas de outras religiões e a comunidade precisava ser consultada, sempre caminhando em comunhão”, argumenta.
Nestor Pereira Campista, de 69 anos, é católico e diz que a retirada ou não das estátuas independe de outras religiões. “Espero que façam o que é certo, mas as estátuas não ofendem ninguém. As outras religiões é que acabam ofendendo a gente por conta disso”, reclama.
Para o comerciante Carlos Roberto Custódio, de 46 anos, as estatuetas foram colocadas de forma inapropriada. “Elas estão expondo muito a igreja e trazem constrangimento para muitas pessoas que por aqui passam e que frequentam outra religião”.
Não há data para a retirada das estátuas que já foram colocadas.

G1
Tecnologia do Blogger.