Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Como educar uma criança surdocega?

Estima-se que até 90% das informações recebidas pelo ser humano sejam captadas pelos sentidos da visão ou audição. Os olhos e ouvidos funcionam como portas e janelas por onde é possível entender o mundo e assim interagir socialmente.
Foi na região metropolitana de Fortaleza, capital do Ceará, que uma história de sucesso pedagógico, inclusão e superação emergiu. Heldyeine, menina de origem pobre e nascida em Maracanaú, foi apresentada à professora Marly Cavalcanti Soares. O desafio logo se impôs: como seria o processo pedagógico de uma criança que nunca teve a oportunidade de enxergar ou ouvir absolutamente nada?
No caso de Heldy, como é conhecida, restou explorar e descobrir outros caminhos para a comunicação. E, através do toque, o outrora mundo de silêncio e sombras foi se revelando.
A experiência pedagógica de educar uma criança surdocega congênita transformou-se no livro Heldy, meu nome – Rompendo as barreiras da surdocegueira, do selo United Press, escrito pela professora Ana Maria de Barros Silva, pedagoga com quase quarenta anos dedicados à educação de crianças e adultos com surdocegueira.
O livro é dividido em duas partes. A primeira, com 17 capítulos, apresenta o tratamento de Heldy, a participação da família, a inclusão sociocultural e cognitiva e o caminho de sua autonomia, por meio da comunicação. Na segunda parte, autores especializados na educação de pessoas com deficiência assinam nove ensaios técnicos, sobre transtornos de vinculação, deficiências múltiplas, guia-intérprete, mobilidade, braile, entre outros.
Heldy, meu nome colabora não apenas com os familiares e profissionais que atendem surdocegos, mas também com toda a sociedade, proporcionando a radiografia de uma experiência nacional de inclusão, onde dificuldades tecnológicas e poucos recursos foram vencidos com muita vontade e criatividade.
Muito se fala sobre a inclusão nas escolas e são diversas as dificuldades que crianças especiais enfrentam. A história de Heldy motiva as pessoas que convivem com esta realidade mostrando que é possível integrar essas crianças à vida diária. Heldy, meu nome – Rompendo barreiras da surdocegueira ajuda o leitor, seja ele pesquisador do tema, familiar ou amigo de um surdocego ou com outro tipo de limitação, a compreender melhor as dificuldades da pessoa com deficiência. O livro destaca os depoimentos da mãe e da professora em todo o processo, oferecendo ideias de como trabalhar com crianças com deficiência. A leitura ganha maior relevância por se tratar de uma exitosa experiência nacional.
O livro é recomendado para pais de crianças especiais e/ou especificamente portadores de surdocegueira; aos profissionais na área de educação, professores que atuam com inclusão de pessoas com deficiência, médicos e pesquisadores do tema.


Heldy meu nome
Rompendo barreiras da surdocegueira
Ana Maria de Barros Silva

Formato:16 x 23 cm
Páginas: 224
Peso: 320
Acabamento: Brochura
ISBN: 978-85-243-0440-8
Categoria: Desenvolvimento pessoal
Edição: outubro 2012
Selo: United Press

Para adquirir, basta acessar o site da Editora Hagnos
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.