Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Sob a tenda, casal de ciganos virou evangélico sem deixar o acampamento

Eles vestem calça jeans e camisa. Elas, saia e blusa. Não se oferecem para ler a mão e nem tampouco estão carregados de joias. Em Campo Grande, na região da avenida Guaicurus, um acampamento de seis famílias de ciganos pode ser visto de longe, pelas tendas armadas. No meio da manhã, em horário de expediente, o Lado B encontra, por acaso, o mais inusitado casal, Fábio e Paola deixaram de lado o que pregam hoje como idolatria e passaram a ser “servos de Deus”, como se apresentam. Pouco comum no meio, eles viraram evangélicos em meio ao estilo de vida em que nasceram.
Eles não se abrem de imediato. Sondam um pouco até que começam a contar a própria história. Com um costume patriarca, é o chefe da família, Fábio Aristides de 34 anos, quem primeiro narra toda a trajetória. Há três meses na Capital, eles passaram um ano em Caarapó e antes disso estiveram em Cascavel, no estado natal dele e da esposa, Paola Aristides, de 29 anos.
É mais fácil perguntar onde o casal não esteve. Da região Sul até Rondônia eles já passaram. Mas o divisor de águas foi há um ano, em Caarapó, quando o casal se converteu sem deixar de lado as raízes. “Antes a gente olhava a sorte, mas Deus chamou e numa graça, eu abandonei pela Bíblia”, testemunha ele.
O depoimento segue as palavras de qualquer religioso que tenha se encontrado na igreja. No entanto, a gente custa a acreditar que ouve o relato dentro de um acampamento cigano. É mais uma quebra de estereótipo que está mais enraizado em quem está de fora, do no sangue cigano.
“Eu dobrei meu joelho e pedi para Deus me libertar da idolatria, que eu queria misericórdia da minha alma depois da morte. Entrei na igreja e pedi um sinal pra Deus me chamar e ele me chamou pelas águas do santo batismo. Com a minha esposa, Deus chamou por um hino em sonho ‘Avantes do senhor, sem temer’ e ela nunca mais leu a mão de ninguém”.

Os dois que antes eram casados pela palavra, que no mundo cigano tem mais valor do que qualquer papel assinado, tiveram de passar pelo cartório depois de 11 anos como marido e mulher perante os costumes. A justificativa deles é que continuar como estavam era permanecer em ‘fornicação’.
Parte da conversa corre em português, no entanto, as frases ora são ditas em ‘romani’, o dialeto cigano, muito antigo, com palavras que lembram o grego, ou só parecem mesmo para quem ouve. “Somos uma família romani, nossos avós eram da Romênia, mas nós somos brasileiros, eles foram falecendo e ficou a geração de hoje”, conta.
O modo de vida deles não é particular do casal por ser evangélico. Embora a profissão mais masculina, de vendedor de roupas de cama, venha se encaixando nelas, é ainda pouco comum ver as mulheres fazendo algo que não seja a leitura de mãos. O costume é enraizado neles como o sangue cigano. “Como vai ser cigana se não lê a mão? Não é cigano. Nós, na verdade, somos evangélicos. Antes éramos ciganos, hoje somos um servo de Deus”, argumenta.
Fábio diz a todo momento que a vida de agora é diferente. Ele, a mulher e os dois filhos, de 3 e 6 anos, aguardam uma casa que, segundo ele, virá pela graça de Deus. O tempo em que moraram em Caarapó, eles alugaram casa. A vontade de voltar para quatro paredes é maior da parte dele.
“Nossa vida é muito sofrida, nós viajamos muito. Onde chega arma barraca e as pessoas não deixam a gente ficar. Eles não sabem que dentro da gente tem um coração que ama também. Já chegamos em lugar que meus filhos estavam com sede e não deixaram eu pegar água”, desabafa.
Não é só por isso, mas Fábio não detalha todos os motivos de querer uma casa fixa. Questionado se iria conseguir parar nela, ele já adianta “eu vou ter a minha, mas vou passar uns dois ou três dias fora, vendendo”.
A definição de cigano por ele vem da palavra, coisa escutada dos pais e avós já que o rapaz nunca frequentou escola que não fosse debaixo de tenda. “Ciganos, siga por anos, eles andam sem parar. Um cigano tem aquilo na veia. De vender, viajar e não aguentar ficar parado num lugar. Eu tenho orgulho e gosto muito das tradições”, resume.
A mulher dele, reservada ao extremo se pronuncia para defender que “quem está nessa vida, se ficar parado, fica doente. Eu em Caarapó não aguentava mais”.
Evangélica por influência do marido e depois do chamado de Deus, ela fala que quando foi procurar o que lhe faltava, ouviu do meio que aquilo não era para ela, não era para ciganos.
“Ser cigano tem o lado bom, somos pessoas livres, vocês, a sociedade prende muito. Tem que estudar, se formar, arrumar emprego. O que é ser cigano? Para mim, sinceramente não sei”.

Campo Grande News
Tecnologia do Blogger.