Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Não acredita em Deus? As pessoas vão te julgar

Quase 9 em cada 10 brasileiros afirma que acreditar em Deus é necessário para ser uma pessoa boa. Para especialista, formação moral no país ainda está ligada à religião.
Pessoas participam de celebração religiosa: os "sem religião" somam mais de 15 milhões no Brasil e são quase 8% da população.
Uma pesquisa perguntou a pessoas de 40 países se acreditar em Deus era essencial para ser uma pessoa boa e moral. No Brasil, 86% dos entrevistados responderam que sim - um número bem mais alto do que em outras nações latino-americanas, como Argentina (47%) e Chile (46%). A pesquisa foi realizada pelo instituto Pew Research Center.
Em países ricos, a população tende a discordar desta relação. Na Espanha, por exemplo, apenas 19% da população pensa que acreditar em Deus é essencial para ser uma boa pessoa.
Em Gana e Indonésia, este número chega a 99%.
O número elevado, no entanto, é compatível com o perfil religioso do Brasil, na avaliação do professor e cientista político da PUC-Rio, César Romero Jacob, que estuda a influência social e política das religiões.
Segundo dados do Censo 2010, do IBGE, cerca de 8% da população brasileira não tem religião. Entram ai ateus, agnósticos e os sem filiação religiosa.
"Em um país em que o estado é ausente, a educação é deficitária e a formação moral do cidadão fica a cargo das religiões, é esperado que essa associação seja feita", afirma Jacob.
A relação é ainda mais forte entre a população acima dos 50 anos e sem diploma universitário.

Os sem religião
No Brasil, os auto-declarados sem religião somam pouco mais de 15 milhões de pessoas. Hoje, esse grupo atingiu 8% da população brasileira e está em constante crescimento.
Na década de 1980, por exemplo, não chegava nem a 2%, com pouco mais de 1,9 milhões de pessoas.
É a terceira maior categoria religiosa do país em número de pessoas, atrás dos católicos e dos evangélicos pentecostais, e pode ser dividida em 3 subcategorias: agnósticos (124 mil pessoas), ateus (615 mil) e sem religião (14,6 milhões).
"O fato de um indivíduo se declarar sem religião não significa necessariamente que ele seja ateu ou agnóstico. Muitas vezes as pessoas acreditam em Deus, mas também em Iemanjá e no espiritismo, e não participam das instituições religiosas", diz o professor da PUC-Rio
Esse sincretismo religioso é, inclusive, um dos traços mais importantes da cultura brasileira. Já os ateus e agnósticos se encontram em menor quantidade porque são crenças de pessoas com maior sofisticação intelectual, defende o especialista.

Exame
Tecnologia do Blogger.