Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Presbitério reformado exclui pastora recém ordenada

MÉXICO - Ordenada ao ministério sacerdotal na Comunhão de Igrejas Presbiteriana e Reformadas de Chiapas no dia 15 de dezembro passado, a pastora Cira Hernández Gutiérrez foi excluída da Igreja Nacional Presbiteriana um pouco mais de um mês depois, por diferenças nas leituras da Bíblia e compreensão sobre o papel da mulher na igreja.
O pastor Francisco Gómez Maça publicou texto, no domingo 23 de fevereiro, no jornal Excélsior, denunciando a situação da pastora, que somava 25 anos de militância eclesiástica. Ela foi mandada embora sem receber qualquer tipo de indenização.
Cira, defensora dos direitos humanos, “deixou boquiabertos os ‘anciãos’ da igreja”, e serviu aos mandatários enquanto realizou tarefas só permitidas às mulheres, de obediência cega aos “anciãos”, escreveu o colega.
Foi o Presbitério Centro Norte de Chiapas quem decidiu pela exclusão da pastora dos quadros da Igreja Nacional Presbiteriana, “porque só os varões têm o privilégio de encabeçar celebrações no templo”, segundo Maça. Agora, presbiterianos contam com apenas três pastoras em seus quadros, duas delas envolvidas em atividades voltadas aos mais pobres de Chiapas, vivendo uma experiência única.
Cira recorreu à justiça mexicana, pedindo que sejam reconhecidos os anos de trabalho dedicados à igreja. Ela levantou demanda trabalhista no setor de Conciliação e Arbitragem.
A Comunhão de Igrejas Presbiterianas e Reformadas de Chiapas condenou a decisão da Igreja Nacional, que excluiu a pastora de seus quadros e aplicou medida disciplinar de um ano contra o pastor Maça pelo fato de ter participado na imposição de mãos no ato de ordenação de Cira. A Comunhão destacou, em nota pública, que a instituição afastou-se completamente da Igreja Nacional Presbiteriana por discordar da posição quanto ao papel da mulher na igreja e das doutrinas fundamentalistas e fanáticas assumidas pela denominação.

ALC
Tecnologia do Blogger.