Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Campanha de Israel para atrair de volta israelenses que vivem nos EUA irrita judeus americanos

Uma campanha publicitária do governo de Israel para convencer expatriados israelenses a deixar os Estados Unidos e retornar para as suas casas em cidades como Jerusalém e Tel Aviv irritou a comunidade judaica americana. Depois de protestos, o premiê Benjamin Netanyahu ordenou a suspensão imediata dos comerciais.
“Apesar de entendermos a lógica por trás do governo israelense em tentar convencer seus cidadãos vivendo nos EUA a voltar para Israel, estamos preocupados porque algumas pessoas podem se sentir ofendidas pela forma como os vídeos descrevem os judeus americanos”, disse Abraham Foxman, diretor-executivo da Liga Anti-Difamação, considerada a principal organização de combate ao anti-semitismo e preconceito no país.
Três vídeos fazem parte da campanha, que também utiliza outdoors em cidades como Nova York, Los Angeles e Boston. No primeiro deles, um menino chama o pai que está que está dormindo no sofá com uma revista The Economist no colo. “Daddy”, repete seguidas vezes a criança, de uns quatro anos. Apenas depois de mudar para “Abba” (“papai” em hebraico), o pai acorda. De acordo com o comercial, o pai pode manter a identidade israelense, mas o filho a perderá com o tempo e será americano.
Um segundo vídeo mostra uma conversa por vídeo conferência dos avós em Israel com a neta nos Estados Unidos. Os dois estão com o candelabro do Hanukkah, uma festividade judaica de oito dias que cai normalmente em alguma data entre o fim de novembro e de dezembro, e perguntam para a menina qual feriado ela está celebrando. A criança responde que é o Natal, deixando os avós de cara fechada.
Para completar, um terceiro vídeo mostra um casal jovem voltando para a casa em Nova York. Israelense, a menina fica em silêncio ao entrar no computador e observar o dia em memória dos soldados israelenses mortos defendendo o país. O namorado, judeu americano, continua falando sem entender o que está acontecendo. Segundo o Jewish Channel, em Nova York, em crítica à campanha publicitária, “o objetivo é dizer que israelenses perdem a identidade ao se casarem com judeus americanos”.
Diante da crise nas relações públicas envolvendo a comunidade judaica dos EUA, o embaixador de Israel em Washington, Michael Oren, divulgou comunicado informando que Netanyahu desconhecia a campanha publicitária. “O Ministério da Imigração não levou em consideração a sensibilidade dos judeus americanos e lamentamos a ofensa que tenha causado. O premiê valoriza a comunidade judaica americana e tem o compromisso de estreitar a relação entre os dois países”, afirmou.
Netanyahu, que estudou nos EUA e fala inglês fluentemente, sempre buscou apoio da comunidade judaica americana para os interesses de Israel. Durante a Assembleia Geral da ONU, fez campanha para eles se posicionarem contra o reconhecimento da Palestina como Estado membro das Nações Unidas.
Segundo o censo dos EUA, a população israelense no país cresceu 30% entre 2000 e 2010 e hoje é de 140 mil. O Consulado de Israel em Nova York estima um número quatro vezes maior de cidadãos do país vivendo no território americano. Este processo é chamado de Yerida, ou emigração, e seria o inverso da Aliyah (imigração de judeus para Israel).

Guga Chacra - Estadão
Tecnologia do Blogger.