Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Cercados por islamitas, 50.000 podem morrer à sede no Iraque

Os cristãos não são a única minoria religiosa a ser perseguida pelo auto-proclamado Estado Islâmico. Odiados pelos islamitas, os yezidi do Iraque estão numa situação de desespero.
Entre dez mil e 50 mil civis, na maioria mulheres e crianças da comunidade minoritária yezidi, correm o risco de morrer de sede, cercados pelos islamitas no Norte do Iraque.
Os refugiados estão cercados no topo da montanha de Sinjar, que fica a sul da cidade com o mesmo nome, tomada pelos islamitas durante o fim-de-semana, numa das maiores derrotas até ao momento para as forças curdas que dominavam a região.
A montanha começou por servir de abrigo, mas, rapidamente, transformou-se num calvário. Sem abrigos, sem vegetação e sem qualquer fonte de água, não demorou muito para começarem a morrer pessoas, sobretudo crianças.
A força aérea iraquiana tentou largar água engarrafada na montanha, mas pouca terá chegado às pessoas. Já os militares curdos dizem estar a tentar assegurar uma estrada até à montanha para poder libertar os civis, mas dizem que isso implica passar por aldeias sunitas, cujos habitantes simpatizam com os terroristas, o que está a complicar a missão.

Na terça-feira, no Parlamento, em Bagdad, um grupo de deputados yezidi, não conseguiram conter as lágrimas enquanto narravam o que se estava a passar em Sinjar.
Os yezidi são uma comunidade ancestral que vive naquela zona do Iraque e partes da Síria e da Turquia. A sua religião mistura traços do zoroastrianismo, do islão e do cristianismo mas é particularmente odiada pelos islamitas, que apelidam os yezidis de satânicos.
Mal ocuparam Sinjar, e outras aldeias e vilas na região, os militantes do Estado Islâmico mataram todos os homens que conseguiram encontrar, raptando crianças e mulheres, cujo destino não é ainda conhecido. Os locais de culto dos yezidis foram destruídos. Cerca de 200 mil pessoas conseguiram fugir procurando abrigo na montanha ou, nos casos mais afortunados, nos locais ainda sob controlo do Curdistão.

Ao contrário dos cristãos, os yezidis contam com poucos representantes na diáspora ocidental e não dispõem de uma rede internacional de contactos. Contudo, organizações como as Nações Unidas e a Amnistia Internacional já chamaram atenção para o que se está a passar no monte Sinjar.
Para além de cristãos e yezidis, a região é também habitada por membros da religião mandeia e shabak, todas elas perseguidas pelos fundamentalistas do Estado Islâmico.

Renascença
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.