Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Igrejas evangélicas brasileiras são atacadas no Níger

A onda de ataques no Níger (norte da África) contra a charge de Maomé na atual edição do jornal francês “Charlie Hebdo” destruiu no sábado (17) duas igrejas presbiterianas brasileiras na capital, Niamey.
Outras duas igrejas e uma escola sob o comando de missionários do Brasil, que pertencem a uma ONG protestante, também foram atingidas, segundo relato à Folha, por telefone, de brasileiros que moram na cidade.
A comunidade brasileira no Níger –estima-se que seja de pelo menos 32 pessoas– foi orientada pelo Itamaraty a não sair de casa por causa dos protestos, que buscam símbolos cristãos e locais vinculados a franceses.
A Folha apurou que a embaixada do Brasil no vizinho Benin, responsável pela diplomacia no Níger, avalia retirá-los do país se a situação se agravar. Informações preliminares passadas ao governo brasileiro apontam a possibilidade de que o grupo extremista Boko Haram, da vizinha Nigéria, esteja ligado aos protestos.
Desde sexta-feira, dez pessoas morreram e cerca de 20 templos cristãos foram atacados no país, predominantemente muçulmano e um dos mais pobres do mundo.
Dois templos da Igreja Presbiteriana Viva, com sede em Volta Redonda (RJ), foram incendiados e saqueados, contou o pastor brasileiro e responsável pela administração, Roberto Gomes, 36.
Um deles, que comporta cem pessoas, foi atacado pela manhã, horas antes de um encontro bíblico frequentado por moradores locais.
Gomes foi informado pelo zelador de que o espaço havia sido destruído e, desde então, trancou-se em casa com a mulher e dois filhos.
“Estou em estado de choque. Moro aqui desde 2009, na África há 14 anos, e nunca vi algo parecido”, disse. “A relação com os muçulmanos sempre foi tranquila. Só pode ser coisa do Satanás”, afirmou Gomes.
Ele abriga desde sábado a família do missionário brasileiro Jefferson Garcia, 37, coordenador de duas igrejas e uma escola da ONG World Horizon, do Reino Unido.
“A escola, para 350 pessoas, foi destruída e botaram fogo nas igrejas. Roubaram televisão, armários, tudo. Queimaram até um cachorro guardião do local”, disse ele, que vive há três anos no país.
Por temer ataque à sede da ONG, onde mora com a mulher e a filha de três anos, Garcia retirou a placa de identificação e buscou refúgio na casa do pastor.
“Esperei dar 19h, quando muitos muçulmanos estão na mesquita, para fazer o trajeto de 5 km de carro. Vi muita fumaça pela cidade”, contou. Segundo ele, são sete brasileiros como missionários da ONG no Níger, outros 12 trabalhando para a igreja de Volta Redonda e os demais para missões de outras entidades evangélicas.

ORIGEM
Os protestos no Níger começaram na sexta-feira (16) por causa da publicação do “Charlie Hebdo”. Foi a primeira edição do jornal após o ataque à sua sede, em Paris, que matou 12 pessoas.
Os autores do atentados, os irmãos Said e Chérif Kouachi, justificaram o ato em razão das sátiras que o semanário faz de Maomé, profeta do islamismo. Ambos foram mortos pela polícia.
Uma semana depois, o jornal voltou a circular, com uma capa que traz Maomé chorando e segurando o cartaz “Je Suis Charlie” (Eu Sou Charlie) -acima, a frase: “Tudo está perdoado”.
A capa recebeu críticas de lideranças religiosas islâmicas. O presidente do Níger, Mahamadou Issoufou, tem sido atacado por ter participado da marcha em Paris contra os atentados que mataram 17 pessoas (além das 12 no “Charlie”, quatro em um supermercado judaico e uma policial em um tiroteio).
O redator-chefe do jornal, Gerard Biard, defendeu a publicação no domingo (18). “Cada vez que desenhamos a caricatura de Maomé, de profetas, de Deus, defendemos a liberdade de religião”, disse. “Deus não deve ser uma figura política ou pública, mas sim privada.”

Publicado na Folha
Tecnologia do Blogger.