Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Igrejas e pastores num mundo que não existe mais

Há um seleto grupo, compostos de profissionais da religião, cujas decisões influenciarão nos próximos anos a vida de milhões de cristãos, evangélicos, protestantes e católicos, ecumênicos ou não, clientes que poderiam gerar impactos sobre comunidades religiosas. Quem são os carismáticos ou pentecostalistas radicais? Quem são os crentes secularistas? Quem são os libertários? Se fossem interessantes, para além do proselitismo e da defesa apologética institucional, de cada uma das denominações avaliadas, quem professaria a identidade cidadã e cristã com maior aproximação dos valores do cristianismo apostólico?
Um glossário sobre os modelos mais frequentes, para uma síntese de uma pluralidade inumerável de tendências eclesiásticas nos dias atuais, pode ser útil. No Brasil de hoje os valores da religião se confundem com os da sociedade capitalista tradicional. Ocorre, o mesmo, com as igrejas, e com os profissionais dos púlpitos? O ponto mais agudo e tenso é aquele que, para se cumprirem as cláusulas do contrato social com a religião, admite-se uma forma comportamental domada, encilhada e submissa. Não há justificativa teológica que sustente a incapacidade de se ver os sinais dos tempos. Vejamos alguns aspectos ou tendências nas igrejas e pastores de hoje:

O apologismo reflete a crise de identidade das igrejas. Sem entender a força da modernidade, a nova moral, as democracias recentes, a tábua de salvação é procurada no calvinismo e luteranismo conservadores, principalmente. Faltam referenciais seguros, sociologicamente visíveis. O triunfalismo eclesiástico pretendido, ingênuo, abstrato, encastela-se nas igrejas mais ricas, enquanto a reação vem das igrejas pobres, entregues em total vulnerabilidade às teologias do movimento pentecostal contemporâneo. O pentecostalismo não se ocupa do apologismo, vai direto ao assunto: religião carismática. Em maioria esmagadora, cuida das raízes populares dominantes no Brasil.
Talvez o apologismo seja um modo de atenuar o impacto de uma espécie de “outro mundo” demarcando a topografia espiritual dos fieis. Igrejas, capelas, oratórios, santuários, templos, centros espíritas, terreiros, cemitérios, fazem parte da fronteira em que vivemos, entre um mundo real, concreto, e outro espiritual e abstrato. O apologismo visualiza mundos e culturas passados, enquanto acredita, anacronicamente, combater o cristianismo medieval antes da Reforma. Combate, mas reproduz seus valores conservadores.

O secularismo, porém, pretende que não estejamos mais diante de um universo religioso simbólico tomado por forças ocultas, medo e terror atribuídos ao sobrenatural. Assim, procura-se oferecer cura da alma e prazer garantidos, sem mistérios na natureza real do problema da vida religiosa em comum. Comunhão, coletividade eclesiástica e igualitarismo passam a ser assuntos proibidos ou desinteressantes. As igrejas comunitárias passam a ser lugar de encontros divertidos, ao invés de espaço de comunhão e reflexão.
Nesse setor, as pessoas desejam ser felizes não amanhã, mas hoje, agora, e talvez desde ontem. Para estas, algumas vezes, a saída da religião pela materialidade da vida, exige-se, para satisfazê-las, uma religião e um “deus ex machina” disponíveis para atender prontamente a seus desejos. Pastores secularizados se sentem obrigados a manter um cardápio “a la carte” para tornar suportável a vida do crente secularizado no mundo moderno. Nesse momento, contendo soluções prontas para os problemas do cotidiano, nada mais confortante que o consumo do luxo, sem esquecer a saúde, ou as clínicas estéticas a alto preço, para satisfazê-las.
O cardápio, nesse ponto, se amplia. Adeptos da secularização eclesiástica também gostam de falar de moral, embora entupidos pelas drogas farmacológicas “lícitas”, e alguma inclinação pela tolerância das ilícitas. Depois, vêm assuntos como ciência, religião, política, corrupção; esportes, amor, filhos, saúde, dietas, alimentação saudável, esteira rolante, próstata, eletrocardiograma, mamografia, ultrassom, colonoscopia, medicina de ponta... e mesmo assim chega o dia inevitável em que se vai depender dos caros planos de saúde, sequestrados pela caríssima medicina seletiva e privada. Poucas atividades são tão transparentes nas injustiças e desigualdades na sociedade moderna quanto ao escapismo secularista que toma igrejas e crentes.

O libertarismo jamais pretenderia a síntese das tendências anteriormente apontadas. Critica, também, o vazio das tendências secularistas, exigentes de pastores psicanalistas e de recursos de autoajuda alimentados nas fraseologias pseudoteológicas de todos os dias. Como indivíduos, o libertarismo se dirige aos considerados descartáveis, supérfluos, tidos como não merecedores da repartição dos bens culturais, econômicos e sociais.
Ao mesmo tempo, não pretende perder de vista a conversão individual, paradoxalmente coletiva. O libertarismo vai além, denuncia as estruturas e seus pecados, na sociedade, na política, na economia. Indigna-se e aponta as desigualdades. Projetos que aterrem no ambiente coletivo degradado, sob propostas concretas, malgrado as perplexidades do momento, interessam-lhe sobremaneira. Pois identificam e tramitam num caminho onde se apresentam as diferentes imposições das mortes espiritual, social, econômica e cultural.
Como identificava o teólogo Agenor Brighenti, sob olhar analítico, podemos observar os vários estilos e modelos pastorais. Um número significativo de padres, pastores e igrejas, adota o modelo dominante, apologético ou secularizado. Alguns estão comprometidos com vícios burocráticos e assembleias que não decidem sobre as urgências. Constituem combustível queimado inutilmente, sem que a organização eclesiástica saia da inércia. Outros, libertários, tendem a desprezar a cultura religiosa popular, esquecendo a maioria e acentuando uma teologia radical para a vida em comunhão.
Igrejas e pastores encontram-se fechados para a vida moderna, cegos, surdos e mudos aos sinais dos tempos e às próprias interpelações do Espírito, no mais das vezes. A sociedade humana reclama salvação, no desenvolvimento de ações que revertam em atenção a crianças, aos jovens, aos maduros e aos idosos, cujas vidas estão sob risco permanente de morte: desproteção política, violação de direitos humanos, cidadania seletiva ou privilegiada; trabalho, saúde, escola e previdência, negados; violência contra a mulher, a criança e o idoso.
Hoje, para muitos, pastores e igrejas, todo o multifacetado projeto de modernização aparece como um equívoco desastroso que seleciona privilégios de pessoas, grupos, sociedades. Ato de arrogância e maldade cósmicas. E, novas figuras surgem agora em novo papel simbólico, ocupando espaços de alto luxo, altos salários, onde as fortunas se representam, cultivando o estímulo à inveja e à ganância. Sob pressões econômicas do mundo moderno, o impulso de desenvolvimento eclesiástico tende a caminhar no sentido de um perpétuo crescimento estatístico -- sob parâmetros do IBGE, em todos os seus equívocos de mensuração -- sem evangelização autêntica e humanização da mensagem cristã.

O que testemunham? Não sentindo que, se não pararem para refletir sobre suas vocações, aceitando ser o que são na maioria, sem representação, sem relevância, seremos diminuídos quanto ao desafio de seu papel original, transformador da sociedade. Ninguém nos perguntará mais, pastores e igrejas, sobre os cristãos nos tempos iniciais da igreja: “quem são estes que têm transtornado o mundo? Chegaram também aqui?” (Atos 17.6). Será que perdemos de vista o mapa que nos foi entregue desde a igreja apostólica?

Publicado na Ultimato
Tecnologia do Blogger.