Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Europa islamiza-se: População muçulmana da Grã-Bretanha em 2051 será de 51 milhões

Estima-se que em 2051 a população muçulmana da Grã-Bretanha será de 26 milhões.
Poucos temas na Bíblia são repetidos mais do que este: Quando uma nação vira as costas para Deus, ela começa uma queda em espiral rumo à sua própria destruição. Não é um tema bom de se falar. No entanto, o Senhor nos diz: “Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima … porque a vossa redenção se aproxima”.
Só que ignorar o assunto das nações impenitentes caindo no caos não é, creio eu, uma leitura precisa do modo como Deus quer que respondamos. Afinal, toda a Bíblia nos adverte para alertarmos nossas nações rebeldes sobre o julgamento vindouro. O rei Salomão entendeu esta verdade fundamental antes de ele também se afastar de Deus e sua nação sofreu as mesmas tragédias.

A VERDADE NA DEMOGRAFIA
A demografia pode levar mais de uma geração para revelar mudanças irreversíveis. Mas ela prevê o futuro de maneira confiável se as coisas continuarem como estão. Vejam estes números:
– Hoje, existem 2.900.000 muçulmanos na Grã-Bretanha, incluindo a Escócia e a Irlanda do Norte – cerca de 5% do população.
– A população muçulmana se multiplica 75% a cada 10 anos.

A LEI SHARIA SIGNIFICA PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS
Não há como negar de que a lei Sharia já está sendo praticada em toda a Grã-Bretanha pelos muçulmanos; a poligamia é comum e a cultura islâmica referente às mulheres e às outras religiões está substituindo a lei britânica em comunidades com população muçulmana considerável. À medida em que a religião islâmica aumentar, os crentes britânicos vão experimentar severa perseguição, principalmente no que diz respeito à liberdade de expressão e a liberdade de pregar o Evangelho.

O ISLÃ SE EXPANDE EM CIDADES TANTO GRANDES QUANTO PEQUENAS
Hoje, na Grã-Bretanha, a tendência já é bem perceptível. Em um blog, escrito por Paul Wilkinson, chamado “A islamização da Inglaterra, Uma Cidade de Cada Vez”, ele descreve pequenas cidades como Whitley Bay, um resort no Nordeste de 10.000 almas. Apesar de ter apenas 0,3% de muçulmanos, Wilkinson descreve os inúmeros restaurantes “indianos” – palavra usada para se referir ao “Oriente Médio”, e outra meia dúzia de fast food pertencentes a muçulmanos na rua principal.

JUIZ DA SHARIA PROMOVE A POLIGAMIA
No verão passado, a primeira juíza da Sharia do Reino Unido disse que o governo do Reino Unido não tem o direito de proibir a poligamia islâmica. Segundo o The Times, cerca de 100.000 muçulmanos no Reino Unido atualmente são casados sob o regime da Sharia, não reconhecido pela lei do país. Muitos desses casamentos são polígamos.

DESCRISTIANIZAR A GRÃ-BRETANHA?
Espiritualmente falando, os ativistas humanistas e ateus estão ajudando a propagar o Islã. Ao exigir que as escolas suspendam o ensino sob o ponto de vista cristão e remova todos os sinais e valores bíblicos de locais públicos, eles deixam um enorme vazio que o Islã, mais do que feliz, logo se apressa em preencher.


ALERTA À GRÃ-BRETANHA

Profecia de David Noakes

“Nação Grã-Bretanha, eu vos amei com um amor que não cessou, apesar do estado de apostasia e degradação em que caíste.

Minha ira para com esses líderes de igrejas, que ensinaram coisas falsas em meu nome e incentivaram outros a crer e agir como eles, é intensa e o meu juízo sobre eles será severo.

No entanto, tenho compaixão daqueles que têm sido como ovelhas sem pastores santos; e Meu coração ainda anseia por exercer misericórdia para com uma nação cujos antepassados ​​confirmaram o meu nome e levaram a minha Palavra aos confins da terra; uma nação cuja crença na Verdade da minha Palavra elaborou leis divinas e inspirou uma cultura de retidão”.

A GRÃ-BRETANHA JÁ NÃO É MAIS UM PAÍS CRISTÃO!
É oficial!
Bem, pelo menos segundo o relatório divulgado pela ex-juiz sênior, a baronesa Butler-Sloss, intitulado ‘A extremidade mais fina da cunha está ficando mais espessa…’ A comissão de Butler-Sloss, de dois anos, envolvendo os principais líderes religiosos de todas as fés, concluiu que a Grã-Bretanha já não é mais cristã e recomenda que a vida pública precisa ser sistematicamente descristianizada.

A EXTREMIDADE MAIS FINA DA CUNHA ESTÁ FICANDO MAIS ESPESSA
Por algum tempo, nós da Profecia Hoje, já havíamos percebido uma “fina extremidade de cunha” no que diz respeito aos sutis ataques aos fundamentos cristãos da nossa sociedade. Mas, de forma muito rápida, chegamos rapidamente à parte mais espessa dessa cunha que está sendo alojada por humanistas e por aqueles com persuasão da fé múltipla.

QUEM ESTÁ A DEFENDER A FÉ?
Costuma-se dizer que o Reino Unido tem uma constituição não escrita, o que dá a impressão de que a nossa posição é vaga e, portanto, em algum grau, sujeita a questões de opinião. Isso não é verdade quando estudado do ponto de vista do Juramento da Coroação e os muitos séculos de desenvolvimento de leis e costumes que nos trouxeram até aqui. No entanto, ela pode ser tratada como vaga se alguém se propuser a isso e se a nação for liderada por aqueles que optam por ignorar os princípios centrais que foram repassados.

“NÃO HÁ NENHUM MECANISMO…”
As respostas que tenho recebido constantemente encaminham as perguntas de volta para o Governo – na maioria das vezes para o Ministério do Interior. A rainha certamente leva a sério seu juramento em um nível pessoal, mas assumiu o papel de um “monarca constitucional” que defere os seus ministros e assina, sem questionar, qualquer coisa que for aprovada em lei pelo Parlamento.
Depois de descobrir que o Ministério do Interior é não-comprometedor, o próximo tópico da minha investigação foi tentar encontrar o gabinete governamental responsável pelas questões constitucionais, sendo que a pergunta era saber se existe algum departamento do governo que checa especificamente se as decisões do governo estão em conformidade com o Juramento da Coroação.

O QUE FAZER?
Na realidade, as únicas pessoas que se preocuparão com a nossa herança cristã são cristãos. O comitê da baronesa Butler-Sloss abriu uma questão que vai se complicar ainda mais no futuro, levantando muitas questões para os cristãos sobre a fé na vida pública da nação. Será que os cristãos ainda deveriam defender sua herança que vem sendo sistematicamente atacada e desmantelada, incentivando nossos líderes nacionais a cumprir sua promessa solene a Deus feita no dia 02 de junho de 1953? Ou devemos aceitar que os dias da ‘Grã-Bretanha cristã’ já acabaram e seguir em frente?
A Igreja deveria lutar por uma voz e influência na esfera pública, ou deveríamos viver tranquilamente e procurar testemunhar onde fôssemos colocados?

ANOS CRÍTICOS À FRENTE
Essa questão não vai desaparecer. Eu até creio que o próprio Senhor Deus não vai deixar passar em branco. Se chegar o dia quando forem adoptadas as recomendações loucas do Comitê da baronesa Butler-Sloss, então nosso declínio como nação estará sob a Mão de Deus e vamos colher as consequências da nossa insensatez. Isto mostra quão críticos serão os próximos anos a um ritmo crescente.

Os cristãos são perseguidos quando o islã toma conta de um bairro
Nissar Hussain vem de uma bela região da Caxemira, no Paquistão. Em 1996, ele e sua esposa Kubra, como cidadãos britânicos, decidiram abandonar o islã e passaram a seguir a Cristo. No entanto, seus vizinhos muçulmanos não aceitaram com amabilidade essa conversão e passaram a persegui-los com agressões, intimidações diárias e danos criminais à propriedade deles, incluindo janelas quebradas e destruição de três de seus carros. Eles literalmente expulsaram os Hussain de sua própria casa em Bradford, Inglaterra.

Publicado em Maoz Israel


Tecnologia do Blogger.