Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Russos esperam mais ajuda de Deus

Moscou aumentou significativamente seu número de paróquias: de 894, em 2012, para 1.110, em 2015.
Os russos começaram a esperar por ajuda divina ou a falar sobre a predestinação das pessoas por Deus duas vezes mais que nos últimos 25 anos, de acordo com pesquisa realizada pelo VTsIOM (Centro de Pesquisas de Opinião Pública da Rússia).
O estudo interrogou 1.600 pessoas vivendo em 130 áreas povoadas das 46 regiões da Rússia de 23 a 24 de abril deste ano.
No âmbito da pesquisa, 67% dos respondentes disseram que, de algum modo, esperam pela ajuda de Deus em sua vida diária - um aumento de 18% desde 1991, quando apenas 49% faziam tal afirmação.
Também caiu o número de respondentes que disseram não acreditar em Deus - de 21%, em 1991, para 14%, neste ano. Enquanto 11% disseram não esperar por ajuda divina.
Comparando os dados aos de 1991, os russos passaram a acreditar mais em fenômenos associados a religião. 50% disseram que acreditam em milagres religiosos, um aumento de 18% em relação a 1991, quando 32% sustentavam tal afirmação.
Enquanto 42% disseram-se confiantes de que existe vida após a morte, esse índice não ultrapassava os 33% há 25 anos. E se 40% agora acreditam em demônios e no inferno, eram apenas 25% e 24% que o faziam em 1991.
Ao responder sobre se a vida humana é predestinada por forças divinas, 48% disseram que sim, contra os 25% de 1991.
Naquele ano, 45% dos respondentes diziam que a vida humana não dependia dos planos de Deus, enquanto, agora, apenas 26% dos respondentes sustentam essa afirmação.
A favor de um banimento em nível legislativo de manifestações antirreligiosas se manifestaram 58% dos respondentes na atualidade, indicador que não registrou mudança desde 1991. 25% se mostraram contra tal iniciativa, enquanto 17% estavam indecisos.

"Nenhuma igreja está vazia"
O crescimento do sentimento religioso entre os cidadãos é notado, principalmente, pela Igreja Ortodoxa Russa. O número de paróquias está crescendo não só em quantidade, mas também qualitativamente, de acordo com o porta-voz da Igreja, Aleksandr Volkov.
"Experimentamos a primeira onda de religiosidade logo após o período soviético, quando multidões de pessoas foram às igrejas, mas nem sempre foi um esforço consciente. Agora, as pessoas estão fazendo isso com mais disposição", disse Volkov à Gazeta Russa.
Nos últimos cinco anos, Moscou aumentou significamente seu número de paróquias: de 894, em 2012, para 1.110, em 2015. Mas isso não é o suficiente, de acordo com Volkov.
"Agora entendemos que precisamos muito mais igrejas. Nenhum dos templos construídos está vazio. Todos estão cheios ou até superlotados", diz.

Publicado em Gazeta Russa
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.