Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Cientistas identificam as passagens mais antigas de Bíblia Hebraica

Imagem do pergaminho obtida graças a técnicas com raio-X - "Science Advances"
Eles usaram escaneamento com raio-X para ler pergaminho de 1700 anos.
Usando tecnologia digital de última geração, pesquisadores nos EUA e em Israel identificaram as mais antigas passagens manuscritas da Bíblia Hebraica. O trecho desse livro sagrado para os judeus estava num pergaminho de cerca de 1700 anos, frágil demais para ser aberto. Os cientistas, então, recorreram a técnicas de escaneamento com raio-X para ler as passagens.
O estudo sobre a relíquia, relalizado por pesquisadores da Universidade do Kentucky, nos EUA, e da Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, foi publicado pelo periódico científico "Science Advances".
Os trechos constam do Levítico, terceiro livro do Pentateuco, formado pelos cinco primeiros livros bíblicos. É um dos livros do Antigo Testamento da Bíblia. As passagens identificadas datam do século III ou IV da Era Cristã. O pergaminho foi encontrado em 1970, numa sinagoga da antiga comunidade judia de En-Gedi, que ficava perto do Mar Morto, mas foi destruída por um incêndio por volta do ano 600 d.C.. Como não podia ser aberto, a relíquia ficou praticamente intocada por mais de 45 anos.
A equipe que se debruçou sobre o material fez uso de análises tridimensionais obtidas com o escaneamento por raio-X. De acordo com o cientista William Brent Seales, da Universidade do Kentucky, graças às novas tecnologias, foi possível confirmar que o pergaminho encontrado nas ruínas de En-Gedi é uma Bíblia.
Pergaminho chamuscado em incêndio por volta do ano 600 d.C. - "Science Advances"
- Sabemos agora que o pergaminho de En-Gedi é bíblico. Identificamos que as passagens são do Levítico - disse Brent Seales, segundo o jornal britânico "The Guardian". - Tudo que está no pergaminho agora pode ser lido.
De acordo com especialistas, o material "decifrado" é a primeira prova física da antiga tese de que a versão da Bíblia Hebraica usada atualmente tem cerca de 2 mil anos. Segundo os pesquisadores
- Ficamos impressionados com a qualidade das imagens - conta Michael Segal, diretor da Escola de Filosofia e Religião da Universidade Hebraica de Jerusalém, em entrevista à emissora britânica BBC.
Pergaminho chamuscado em incêndio por volta do ano 600 d.C. - "Science Advances"

Publicado em Jornal O Globo
Tecnologia do Blogger.