Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Israel lembra 45 anos da guerra que reunificou Jerusalém

Uma grande manifestação ocupou as ruas de Jerusalém neste domingo para comemorar a reunificação da cidade santa, há 45 anos, na chamada Guerra dos Seis Dias, que conquistou e anexou a parte oriental. A partir da tarde, milhares de pessoas se congregaram na "marcha das bandeiras", que percorreu as ruas de Jerusalém Oriental, em um protesto que a cada ano se converte em uma clara exaltação do sionismo.
A marcha teve início na zona da residência do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, e acabou no Muro das Lamentações, com mais de 30 mil pessoas. Centenas de policiais foram mobilizados "para evitar qualquer violência ao longo do percurso e também na 'cidade velha'", disse à AFP o oficial Micky Rosenfeld.
Grupos de jovens israelenses e palestinos trocaram insultos durante a tarde e 15 pessoas foram detidas: 10 palestinos que tentavam atacar os manifestantes e cinco israelenses que gritavam frases racistas. Israel considera Jerusalém sua "capital eterna e indivisível", uma decisão que a comunidade internacional jamais reconheceu.
Durante a cerimônia na "colina das munições" por ocasião do Dia de Jerusalém, Netanyahu disse que "aqui, há 45 anos, o coração unificado do nosso povo se pôs a pulsar com toda a sua força. E nosso coração nunca mais estará dividido". No Monte Herzl foi realizada uma cerimônia em memória das vítimas israelenses da guerra de junho de 1967, na qual Israel assumiu o controle de Jerusalém Oriental e da Cisjordânia, até então em poder da Jordânia, da Faixa de Gaza, controlada pelo Egito, e das Colinas de Golã, que pertenciam à Síria.
O principal negociador palestino, Saeb Erakat, protestou contra a passeata denunciando que "o governo israelense permite a milhares de extremistas marchar pela Cidade Ocupada e ameaçar civis palestinos, proibindo que palestinos tenham acesso a hospitais, escolas, comércio, igrejas e mesquitas de Jerusalém". "Evidentemente, esta atitude revela uma mentalidade de colonizador acima da de candidato a parceiro da paz", acusou Saeb Erakat.
Segundo estatísticas oficiais publicadas neste domingo, Jerusalém tinha no final de 2011 cerca de 801 mil habitantes, sendo 497 mil judeus (62%) e 218 mil muçulmanos (35%), além de 14 mil habitantes (2%) cristãos.

Notícias Cristãs com informações do Terra e Agências Internacionais

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.