Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Vitor Belfort: “Quero abrir uma igreja evangélica na África”

“Sentiu o poder daí?”, perguntou Vitor Belfort ao atender ÉPOCA, depois de uma sessão de orações com amigos. “O negócio pegou fogo. Deus é poderoso!”. Rezando e agradecendo, o lutador evangélico administra uma rotina atribulada, entre Las Vegas e Rio de Janeiro: neste mês lançam o livro Lições de garra, fé e sucesso — Vitor Belfort, em breve inaugura o centro de treinamento que leva seu nome, cuida da abertura da sua primeira academia no bairro carioca da Barra da Tijuca, participa das gravações do programa dominical da Rede Globo, o TUF (The Ultimate Fighting ) e dá palestras motivacionais mundo afora. Contundido depois de quebrar a mão treinando para o UFC 147 — em que lutaria com o rival de programa, Wanderley Silva —, Vitor voltou a treinar na semana passada.

O que as pessoas podem esperar do livro?
Falo das lições de vida dentro e fora do octógono, o papel da família, os bastidores da rotina de treinos. Os capítulos têm nome de golpes do UFC, como uma analogia à vida: Takedown (derrubada), Golpe Baixo, Nocaute, todos explicando a minha visão de dor, vitórias, superações. Também falo da perda da minha irmã (Priscila, desaparecida desde 2004), e como tive a sorte em poder escolher uma profissão e ser muito feliz.

Parece livro religioso ou de autoajuda.
É um livro motivacional. Sou cristão, tenho um relacionamento com Deus e não me envergonho disso. Mas o livro também descreve minhas mazelas, de como por exemplo, aos 13 anos, entrei no mundo das drogas e consegui sair. Quero ajudar a todos a lidar com o fracasso, o sucesso, a fama, o dinheiro, o sofrimento.

As provocações de Wanderley Silva persistem fora da TV?
Quando não tenho nada de bom para falar sobre uma pessoa, é melhor ficar quieto. Vamos falar de outro assunto?

O UFC ganhou um espaço enorme no mundo. Como é ver o esporte tão difundido?
Isso para mim foi a obra de uma vida. Fui um desbravador e tive gente que acreditou em mim. Hoje tenho voz, influência e sou um ‘vendedor’. Muitas imagens por aí são mentiras, como Ricky Martin, que se vendia como galã e de repente se assumiu gay. Não temos que ter vergonha do que somos, temos que ser verdadeiros e amar as pessoas do jeito que elas são.

Ganhou muito dinheiro com o esporte?
Ganho mais do que preciso e menos do que mereço. A minha riqueza é minha família e poder desfrutar do amor dos meus amigos. Sou casado há oito anos com a Joana (Prado, ex-dançarina). Ela é sinistra. Cuida de três crianças, da casa, da minha vida e ainda tem que estar linda e avaiable (disponível) para o marido. À frente de um grande homem existe uma grande mulher. Se eu não tivesse a Joana, estaria frito.

Como vai ser o instituto que planeja criar?
Será baseado nos princípios cristãos para usar o esporte como chave de educação. Também quero montar, num vilarejo carente da África, uma igreja, uma academia e um colégio. E o principal: quero ser feliz, brother.

Notícias Cristãs com informações da Época/Bruno Astuto

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.