Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Ex-militar, padre caubói une missa com show musical

Aos sete anos, Alessandro Campos já sabia o que queria ser: padre.
Quando tinha sete anos, brincava de celebrar a missa com bolacha maisena e groselha. "Já tinha certeza que queria ser padre", diz Alessandro Campos, mais conhecido como o "Padre sertanejo", apelido em referência ao visual (veste chapéu e bota), aos shows de música sertaneja que faz pelo Brasil (definido por ele mesmo como "um evento de evangelização") e à própria história de vida.
Nascido em Guaratinguetá, no interior de São Paulo, morou um ano em Aparecida (SP) e, mais tarde, mudou-se para Mogi das Cruzes, onde a família reside. Cresceu ouvindo moda de viola e sucessos musicais, como os de Zezé di Camargo & Luciano. Aliás, de certa forma, a dupla ajudou Campos a se inspirar ainda mais na futura função. Ao assistir os irmãos em um rodeio em Barretos (SP), pensou: "Quando for padre, também quero arrastar essa multidão, mas para cantar em nome de Jesus Cristo".
Aos 13 anos, entrou para o seminário. Estudou filosofia, teologia e "estagiou" na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), a diocese militar do Brasil, em Resende (RJ). Depois, mudou-se para Brasília e assumiu o cargo de tenente e capelão do Colégio Militar da cidade. Lá iniciou as missas. Em nove meses, transformou um galpão em uma igreja.
Certa vez, inseriu a música sertaneja na celebração religiosa. "Usei alguns clássicos que falavam de paz, Deus, família", conta. Noutro, apareceu vestindo bota e chapéu. Pronto. Virou o "Padre sertanejo". "O rito religioso é o mesmo. A diferença é a alegria da missa".
Naquela época, a pedidos dos fiéis, Campos lançou um CD com as canções que costumava cantar na igreja. Vendeu 22 mil cópias. De acordo com o padre, a verba foi revertida para a construção da paróquia. Com tanto sucesso na região, a igreja ficou pequena para tantos seguidores. Menor ainda quando recebeu o convite de uma gravadora. Gravou um CD, desta vez, de cunho nacional.
"Pedi permissão ao bispo para evangelizar fora da paróquia, como um missionário", conta. A resposta não poderia ter sido melhor. "'Você tem a minha benção. Use o carisma que Deus te deu e leve paz e alegria às pessoas'", disse Campos, repetindo as palavras do bispo. Para se ter ideia, o padre já se apresentou para um público de 800 mil fiéis.
Atualmente, Campos viaja pelo Brasil celebrando missas ao som de música sertaneja de apelo religioso. A estrutura para tal impressiona. Trata-se de um verdadeiro show (seis por mês), tamanho é o profissionalismo do evento. "Custa caro R$ 30 mil toda essa produção. No momento, parte do dinheiro é revertida para a diocese e outra para uma creche que tenho em Mogi das Cruzes com 180 crianças carentes", diz. O futuro? "Construir um santuário sertanejo, mas ainda é cedo para falar disso", comenta.

PrimaPagina via Terra

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.