Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Estudantes da Assembleia de Deus foram barradas em Olinda por estarem usando saias

As estudantes são ligadas à Assembleia de Deus. Secretaria de Educação disse que vai apurar o caso.
Alunas do segundo e terceiro ano de uma escola pública em Olinda foram barradas, nesta quarta-feira (26), na porta do colégio porque estavam usando saia. As estudantes são ligadas à Assembleia de Deus. As regras de vestimenta dos evangélicos, embora tenham algumas variações, dependendo da igreja, vetam calças, decotes e transparências.
O caso ocorreu na Escola Estadual Padre Francisco Carneiro, no bairro de São Benedito, durante a tarde. "Eu cheguei para o diretor e disse 'nós podemos usar saia, somo evangélicas?'. Ele disse que não ia interferir na religião de ninguém, que podíamos usar saia, mas que queria ver o tamanho da saia da gente. Nossas saias estão bem decentes, estão em um tamanho ótimo", contou a estudante Taylene Batista.
Aos prantos, a estudante Thallita Cunha lamentou a atitute da direção da escola. "A gente foi barrada, logo hoje que tenho cinco provas, trabalhos, estudos. Isso aqui é uma escola do governo. Ele devia chamar a gente para dentro, não colocar a gente para fora. Vocês viram que ele fechou o portão na nossa cara", falou a garota.
A mãe de uma das alunas, Maria José Ferreira, ficou surpresa com a decisão da direção. "Desde quando ela estuda aqui, que virou evangélica, usou saia, nunca tinha sido proibida de entrar", reclamou.
No final da tarde, as alunas barradas foram chamadas para uma reunião com o diretor da escola. "Ele disse que foi um mal entendido, que ele tinha passado para o porteiro que não podia entrar no colégio com saia acima do joelho. Foi criado um Comitê de Fardamento, formado por nós mesmos, e, a partir de amanhã [quinta, 27], nós vamos poder entrar de saia. Acreditamos que foi um mal entendido, por isso não estamos com raiva do diretor", disse a estudante Raiane Trindade. A reportagem do NETV 2ª Edição tentou entrar em contato com a direção da escola, mas ninguém quis se pronunciar sobre o caso. A Secretaria Estadual de Educação informou que vai encaminhar, ainda esta semana, a Comissão de Direito do Aluno para apurar o caso e tomar as medidas cabíveis. A secretaria disse também que todas as provas das alunas que não entraram hoje na unidade de ensino foram remarcadas e que o diretor da escola será notificado com uma medida administrativa.
O fardamento entregue pela Secretaria de Educação consiste em camisa e mochila. A recomendação é que a camisa seja usada com calça jeans e tênis, mas essa sugestão não é obrigatória.

G1

2 comentários:

  1. Tinha repercutido no blog esse absurdo, caro Márcio Melânia. Imagina se fosse um grupo de gays barrados por algum motivo? Maria do Rosário já tinha entrado no meio da confusão... Já nossos deputados e vereadores não querem defender nossa Igreja. E olha que o deputado estadual assembleiano foi um dos três mais votados. Vamos que vamos... Rsrsrs!

    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Não tenha dúvida que os "filhos das trevas" são mais prudentes que os "filhos da luz"...

    ResponderExcluir

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.