Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Marketing de boicote evangélico a "Salve Jorge" é para promoção de "Rei Davi"

Setores da Globo já esperavam por algo parecido. Tentaram convencer a autora Glória Perez a mudar o nome de sua novela, mas foram voto vencido. Temiam que evangélicos e católicos implicassem com "Salve Jorge".
Estes últimos ficaram quietinhos, mas os primeiros não perderam a oportunidade de fazer barulho. No início desta semana, uma campanha viral conclamou os fiéis das igrejas neopentecostais a rejeitar a trama global, que trataria de um "ogum espiritista" (sic), e que em seu lugar assistissem à reprise da minissérie bíblica "Rei Davi" na Record.
O blog do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus (controladora da Record) chegou a publicar um texto assinado por Vanessa Lampert, que alega que São Jorge sequer teria existido: seria uma lenda de origem babilônica encampada pela Igreja Católica.
Ela se esquece de que não há provas arqueológicas nem documentais da existência física do Rei Davi: ele só é mencionado no Antigo Testamento. Mas o que importa é inflamar o autodenominado "povo de Deus".
O boicote proposto foi um dos assuntos mais comentados na internet, despertando paixões pró e contra. É claro que todo mundo tem o direito de boicotar o que quiser, por qualquer razão que seja. Ainda somos um país livre.
Mas também é chocante a demonização que os evangélicos fazem das outras religiões, na contramão do diálogo ecumênico que quase todas as fés se esforçam em manter nos últimos anos.
Se o objetivo era derrubar a audiência de "Salve Jorge", o esforço deu com os burros n'água. O primeiro capítulo teve uma média de 35 pontos no Ibope, bastante bom para uma estreia, e alcançou um pico de 40 no segundo dia.
Só que não --o verdadeiro objetivo não era este. Era chamar a atenção para a reprise de "Rei Davi". Neste ponto, o boicote teve sucesso: a substituta dobrou os três pontos que sua antecessora "Rebelde" marcava no mesmo horário.
Seis pontos de audiência não é nada mau para a reapresentação de um programa que marcou 12 na primeira vez em que foi exibido, no começo deste ano. Além disto, a repercussão do caso foi grande. Gerou muita mídia espontânea -- inclusive esta minha coluna de hoje.
Não é a primeira vez e nem será a última em que a crença de alguns é manipulada por interesses comerciais. Aliás, nem só a crença: também a reação dos "infiéis", que serve para aumentar o clamor em torno.
Algumas igrejas e emissoras estão ficando craques nesse estilo de marketing.

Jornal Floripa

Um comentário:

  1. Bela postagem,

    Abençoado meu novo é http://tcassimiro.blogspot.com.br/
    mE AJUDE A DIVULGAR o mesmo.

    Estarei divulgando o NOTICIAS CRISTÃ.

    ResponderExcluir

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.