Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Bíblia fica intacta após incêndio em igreja na Grande Florianópolis

Um dia após o incêndio na Igreja São Sebastião da Limeira, em Biguaçu, comunidade lamenta a perda de seu maior patrimônio.
Ninguém sabe explicar, mas das poucas coisas que resistiram às chamas, após o raio que atingiu a capela São Sebastião da Limeira, em Três Riachos, Biguaçu, duas são as que mais impressionam: a Bíblia, aberta sobre um suporte destruído pelo fogo, e a imagem de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Ao lado de um bebedouro completamente derretido, a santa permaneceu de pé sem abalo algum – na escultura, apenas as marcas do terço derretido que estava envolto.
– O que é sagrado permaneceu. Estou arrepiada – dizia a aposentada Ini Costa, 63
Em 13 de julho, um sábado, Maria Alzira Ferreira, 68 anos, colocaria novamente o vestido de noiva e voltaria à Igreja São Sebastião da Limeira. Naquele dia, a mesma capela que, há 50 anos celebrou o seu casamento, iria servir mais uma vez de palco para um dia especial: a renovação dos votos pelas Bodas de Ouro do casal.
Mas, um telefonema na última segunda-feira mudou todos os planos: a igreja não havia resistido à força de um raio e pegara fogo.
– A minha igrejinha queimou, não dá para acreditar – disse Maria, do outro lado da linha.
O incêndio que fez ruir a pequena capela que fica no ponto mais alto de Três Riachos abalou a localidade. Em meia hora, tudo estava no chão: telhado, santos, o altar e a via sacra. E a igreja que já foi motivo de tantos encontros alegres de domingo virou um triste ponto de peregrinação de fiéis e curiosos ao longo de todo dia de ontem.
Ao acordar com a notícia, o aposentado Pedro Antônio Alves, 73 anos, pegou o ônibus em Barreiros, São José. Ao chegar ao topo do morro íngreme, em silêncio, pôs a mão no peito e suspirou. Diante dele, o local onde havia sido batizado, fizera a Primeira Comunhão e a Crisma e se casara estava em ruínas.
– Não sobrou nem a sacristia.
Levadas ao salão da comunidade na noite do incêndio, as peças que se salvaram foram distribuídas ontem aos moradores. Maria de Lourdes de Campos, 70, passou o dia limpando quatro suportes de vela e lavando toalhas e roupas. Agora, todos os fiéis da comunidade pretendem se unir para, juntos, reerguer a capela.
– É como perder a própria casa. – lamenta o pároco José de Sousa.
Igreja tinha para-raios instalado há cinco anos
Instalado há cerca de cinco anos, o para-raios da torre da igreja não conseguiu dar conta da força da descarga que atingiu o prédio. Segundo o diretor da Defesa Civil da cidade, Pedro Cardoso, esse tipo de equipamento não costuma ter limite de carga e, por isso, deveria ter funcionado. Há duas hipóteses: ou o aparelho não estava instalado corretamente, ou foi desativado na última reforma do prédio, no ano passado.

DC

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.