Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Justiça determina que igreja evangélica devolva doação de R$ 74 mil à fiel

Ela teria sido induzida pelo pastor a aumentar suas contribuições em momento de fragilidade, após uma separação matrimonia.
O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios determinou à Igreja Universal do Reino de Deus a devolução de R$ 74.341,40, doados por uma fiel que teria se arrependido de ter entregue a quantia.
Os cheques da doação feita pela fiel teriam sido compensados em dezembro de 2003 e janeiro de 2004, no entanto a mulher apenas entrou na justiça com pedido de nulidade da doação e destituição do dinheiro no ano de 2010. Segundo determinação, a quantia atualizada monetariamente pelo INPC desde as datas das compensações dos cheques e acrescidos de juros de mora de 1% ao mês.
A mulher afirma que sempre pagou o dízimo em dia à Igreja Universal do Reino de Deus. Ela teria sido induzida pelo pastor a aumentar suas contribuições em momento de fragilidade, após uma separação matrimonial.
O valor de R$ 74 mil foi doado em dois cheques após a mulher receber a quantia por conta de um serviço, mas logo em seguida ter sido incentivada pelo pastor para que todo o dinheiro fosse entregue à igreja.
Pouco tempo após a doação, o pastor teria sumido da Igreja. A mulher então acabou entrando em depressão, perdendo o emprego e indo à falência, quando por fim decidiu entrar na justiça em 2010.
Em contrapartida, a igreja justificou-se afirmando que a mulher possuía discernimento para fazer o que achasse melhor com o dinheiro. Disse ainda que "é a Bíblia que prevê a oferenda a Deus em inúmeras passagens, destacando, na passagem da viúva pobre, que doar tirando do próprio sustento é um gesto de fé muito mais significativo".

O Povo Online

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.