Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Feliciano é exemplo da influência dos evangélicos na política brasileira

O Brasil é destaque em dois jornais franceses que circulam nesta terça-feira. Dois temas chamaram a atenção: a enorme influência da bancada evangélica no Congresso, confirmada com a nomeação de Marco Feliciano para a Comissão de Direitos Humanos e de Minorias, e as críticas do Movimento Sem Terra à reforma agrária dos governos de esquerda no país.
"A democracia brasileira está infiltrada de evangélicos." Com essa manchete, o jornal Le Figaro explica como esses aliados da presidente Dilma Rousseff estão impondo sua visão conservadora sobre a sociedade. A reportagem da correspondente do jornal no Rio de Janeiro começa com a declaração do pastor Marco Feliciano de que ao dar às mulheres os mesmos poderes, "elas querem trabalhar, o que destrói a família e cria uma sociedade de homossexuais".
As palavras do pastor evangélico tomaram nova dimensão desde que ele foi escolhido para chefiar a Comissão de Direitos Humanos e Minorias no Congresso, por imposição de seu partido, aliado do governo. Na sequência o Le Figaro explica que a presença de Feliciano na comissão faz parte da estratégia da forte bancada evangélica no Congresso de ocupar diversos postos em comissões principalmente relacionadas a questões da sociedade e de mídia. Le Figaro diz que a presença de evangélicos na política brasileira é recente e após o fim da ditadura, os pastores perceberam seu poder de comunicação e influência. Os evangélicos também se beneficiaram da decadência do catolicismo, afirma Le Figaro. Menos instruídos, os fiéis dessas igrejas são mais facilmente manipulados e votam pelos pastores.
O custo de alianças com a bancada evangélica tem um preço alto para o governo. Le Figaro cita como exemplo a retirada de um material pedagógico sobre Aids nas escolas, que estimulava o uso de preservativo. A Frente Evangélica aprovou a decisão, lembra o jornal. Um dirigente do programa da ONU contra a Aids no Brasil encerra a reportagem dizendo que neste caso o governo transmitiu uma imagem retrógrada sob influência de dogmas religiosos.

O problema dos sem-terra
Em nenhum outro lugar do mundo a distribuição de terra é tão desigual, afirma o Libération, que dedica duas páginas para fazer um balanço da reforma agrária. Os milhares de camponeses que lutam há 30 anos por uma melhor distribuição da terra contavam com a chegada da esquerda ao poder, mas os governos sucessivos de Lula e Dilma Rousseff satisfazem apenas parcialmente as reivindicações dessa população, constata o jornal.
O governo afirma já ter distribuído terra para 56% das 950 mil famílias de sem-terra que se beneficiaram da reforma agrária, em uma área equivalente a 27% das terras agrícolas do país. Mas para as lideranças do MST, a reforma é um fracasso, escreve o Libération.

RFI

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.