Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Evangélicos são usados para interesses políticos dos EUA, diz politólogo

A manipulação da religião voltada a propósitos políticos converteu-se num fenômeno essencial para as estratégias militares dos Estados Unidos no Oriente Médio, quando setores cristãos e meios de massa culpam constantemente o islamismo pelos problemas existentes na região,mas não mencionam como igrejas protestantes contribuem no agravamento do conflito empurrando nações a um choque civilizatório.
A análise é do politólogo Charles Saint-Prot, em artigo publicado no site www.voltairened.com, sob o título "As igrejas evangélicas e o jogo dos Estados Unidos no mundo árabe". Desde 1947, historiou, chefes militares e líderes políticos, entre eles os da família Bush, integram um grupo evangélico secreto denominado "A Família", cuja sede encontra-se próxima ao Pentágono. Depois de aliar-se ao Vaticano no combate à teologia da libertação na América Latina, "A Família" volta-se hoje a uma dupla ofensiva: contra católicos e contra muçulmanos, afirma Saint-Prot.
É de "A Família" que também surgem personagens importantes na política dos Estados Unidos. Durante a administração Bush, igrejas evangélicas "avivalistas" ganharam destaque e visibilidade no país. "Sabe-se também que membros dessas igrejas são os mais ferventes defensores de Israel e que recusam qualquer concessão territorial aos palestinos", escreve o politólogo.
Os evangélicos inscritos na vertente dos cristãos sionistas - grupo fundamentalista protestante que surgiu no final do século XIX - defende que a instituição de um Estado israelense faz parte da profecia bíblica. Esse grupo não só presta apoio moral a Israel, mas coleta recursos para financiar a saída de judeus da Rússia e da Ucrânia.
Segundo informações do rabinno Yechiel Ecktein, líder de uma dessas agências que levanta fundos entre cristãos evangélicos nos Estados Unidos, mencionado por Saint-Prot, em sete anos essa organização coletou 100 milhões de dólares. Em 2003, extremistas sionistas e evangélicos reuniram-se, com a participação de autoridades israelenses e estadunidenses, no hotel Rei David, em Jerusalém, quando celebraram “o surgimento da Jerusalém celeste, que terá lugar depois da destruição do Islã”.
“É notório que a Casa Branca, o Congresso e a CIA seguem e favorecem com grande interesse a expansão das igrejas evangélicas. O ódio que elas professam contra o Islã, e o desprezo que têm pelos cristãos árabes, fazem delas o instrumento favorito da política estadunidense que busca a ruptura no seio do mundo árabe para conseguir organizar um 'Grande Oriente Médio', inteiramente submetido à influência de Washington e de seus aliados israelenses”, frisa o politólogo. Esses grupos religiosos, diz, associam o islamismo ao terrorismo, ao "eixo do mal".

ALC

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.