Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Comissão rejeita exigência de frase 'Deus seja louvado' das células

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira o projeto que coloca na lei a obrigação de que as cédulas de real contenham a frase “Deus seja louvado”. A rejeição foi pedida pelo deputado João Magalhães (PMDB-MG), presidente do colegiado, por inadequação orçamentária. Com isso, a proposta será arquivada, a não ser que haja recurso assinado por 52 deputados para que ela seja analisada pelo Plenário, que teria a palavra final. As informações são da Agência Câmara.
A proposta foi apresentada pelo deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) depois que o Ministério Público Federal de São Paulo acionou judicialmente a União e o Banco Central, em 2012, para que a frase “Deus seja louvado”, presente nas cédulas desde 1994, fosse retirada por ferir os princípios de laicidade do Estado e de liberdade religiosa. Posteriormente, a Justiça paulista negou a ação do Ministério Público.
Eduardo da Fonte apresentou a proposta para que a inscrição fosse mantida. O projeto altera a Lei 9.069/95, que instituiu o Plano Real. A norma não prevê que as cédulas devem trazer a frase “Deus seja louvado”, apesar de ela estar presente. O texto do deputado legalizava a inscrição.
O primeiro parecer do deputado João Magalhães, lido durante a reunião da comissão, pedia a aprovação da proposta, na forma de um substitutivo. O substitutivo determinava que a frase deveria trazer “tipos de tamanho superior à inscrição Banco Central do Brasil". Mas ele decidiu mudá-lo, e pedir a rejeição, depois da intervenção de diversos deputados.
Primeiro a falar, o deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que a mudança implicaria em recolhimento de todas as cédulas em circulação e substituição pelo novo modelo. Isso acarretaria custos orçamentários, não mencionados no projeto de lei e não previstos na lei orçamentária em vigor, como manda a legislação. Além disso, segundo ele, a frase “Deus seja louvado” já está presente nas cédulas de real.
Outros deputados argumentaram que a aprovação suscitaria polêmicas desnecessárias sobre a questão do Estado laico. “Seria atiçar o debate no momento em que a questão está resolvida”, ressaltou o deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR). O deputado Pedro Uczai (PT-SC) afirmou o mesmo. “Vamos manter como está para não criar uma polêmica maior.” Diante dos argumentos, João Magalhães refez seu parecer e pediu a rejeição por inadequação orçamentária.

Terra

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.