Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Assembleia de Deus é condenada a pagar R$ 20 mil a casal

A Justiça de Minas Gerais condenou a Assembleia de Deus a pagar R$ 20 mil em danos morais a um casal que alegou ter sofrido constrangimentos de um pastor depois de abrir uma filial da igreja na cidade de Nova Serrana.
De acordo com o processo, o casal, identificado apenas como A.G.S. e V.L.P.M.S., foi nomeado 1º e 2º tesoureiros da igreja aberta em Nova Serrana. No final de 2007, os dois deixaram a igreja, alegando constrangimentos causados por conta de um impasse com um pastor.
De acordo com o casal, o pastor da igreja recebia o dinheiro do dízimo de fiéis sem repassá-lo à matriz. Eles então comunicaram o vice-presidente da igreja, que os orientou a não entregar nenhum valor ao líder religioso.
O casal afirma que o problema não foi resolvido e, por isso, uma reunião com a matriz da igreja foi solicitada, em setembro de 2007. Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), na reunião, os dois apontaram à administração da Assembleia de Deus que o pastor continuava recebendo o dinheiro entregue pelos fiéis e foram informados de que seriam consagrados e assumiriam o cargo dele.
Segundo o casal, a situação não mudou e, em dezembro, aconteceu outra reunião com os pastores da Assembleia de Deus, aberta para os membros da igreja e visitantes. O casal alega que, na presença de todos, os pastores anunciaram a retirada dos cargos deles e que, depois disso, foram motivo de chacota por parte dos fiéis. Nas pregações seguintes, um pastor convidado se referiu a eles de maneira pejorativa e, por fim, eles se afastaram da igreja.
De acordo com o TJ mineiro, o casal solicitou esclarecimentos através de cartas enviadas à matriz e recebeu como resposta citações bíblicas, sem que o incidente fosse abordado. Por esse motivo, recorreram à Justiça e solicitaram indenização por danos morais por parte da igreja, devido às situações vexatórias às quais foram expostos.
Em sua defesa, a igreja alegou que os fiéis abandonaram a tesouraria por vontade própria e que tentou apaziguar a situação, mas que a implicância do casal com o pastor impossibilitou a resolução do problema.
No entendimento da relatora do caso, desembargadora Márcia de Paoli Balbino, os atos vexatórios ficaram comprovados.

Terra

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.