Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Teólogos defendem nova postura da Igreja Católica sobre sexo

Ao responderem questionário elaborado pelo Vaticano com tópicos sobre a família, teólogos alemães propuseram que a Igreja Católica adote um paradigma inteiramente novo sobre o sexo, com base não em avaliações morais, mas sim na fragilidade do casamento e na vulnerabilidade que as pessoas vivenciam em sua sexualidade.
O questionário é parte da preparação do Sínodo convocado pelo papa Francisco para outubro sobre os "desafios pastorais para a família no contexto da evangelização", informa o repórter Joshua J. McElwee, da National Catholic Reporter.
Para os 17 representantes da Associação dos Teólogos Morais Alemães e da Conferência dos Teólogos Pastorais de Língua Alemã que já responderam o questionário, os ensinamentos da Igreja sobre o sexo vêm de uma "realidade idealizada".
“Torna-se dolorosamente óbvio que o ensino moral cristão, que limita a sexualidade ao contexto do casamento, não possa olhar de perto o suficiente as muitas formas de sexualidade fora do casamento”, dizem os signatários da resposta ao questionário.
Eles argumentam que as pessoas "não se satisfazem quando a igreja propõe apenas o celibato e o matrimônio como formas legítimas de viver". Os ensinos da igreja quanto ao valor da família não levam em conta a experiência. “À luz do Evangelho, a questão que se deve examinar é se as outras formas de viver poderão ser destituídas do veredito do pecado”, afirmam.
Os teólogos assinalam, também, que para a maior parte dos católicos que se divorcia a declaração de anulação do casamento é "irrelevante" porque não percebe a nulidade do casamento, mas sim o seu fracasso "e porque anseiam uma vida apesar desse fracasso".
Ao responder a perguntas sobre a proibição da igreja de métodos contraceptivos artificiais, os teólogos afirmam que “mesmo os católicos mais comprometidos não percebem o uso que fazem desses métodos como conflitantes com seu envolvimento na Igreja, o que poderia levar a mudanças em suas práticas sacramentais”.
Eles propõem um paradigma com três dimensões: do cuidado, para "proteger o que é frágil", da emancipação, que "abra perspectivas novas quando a vulnerabilidade se tornou violação", e da reflexão, que “aceite a vulnerabilidade e contrarie a banalização e rotinização da sexualidade”. Eles dizem que o casamento poderia, então, ser "compreendido como uma instituição que projete esta fragilidade, não como uma instituição de obrigação”.
Entre os teólogos que assinam o manifesto estão Antonio Autiero, professor emérito na Universidade de Munster; Karl-Wilhelm Merks, professor emérito na Universidade de Tilburgo; e Eberhard Schockenhoff, professor na Universidade de Friburgo, na Alemanha.

ALC

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.