Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Batistas pedem perdão pela conivência com o regime militar

Em nota pública, a Aliança Batista do Brasil (ABB) pediu perdão pela conivência, omissão e participação que muitas igrejas e lideranças batistas tiveram no período da ditadura militar e civil do Brasil. Trata-se de um “erro lamentável”, mas calar a respeito e ocultar a história desse erro torna-o “ainda mais pecaminoso e vergonhoso”.
“Por ação e omissão pecamos contra os princípios de amor, liberdade e justiça que são as marcas do Evangelho de Jesus Cristo, e por isso pedimos perdão”, frisa a nota.
Mas a ABB também destaca lideranças e igrejas que resistiram ao regime de exceção, de 1963 a 1985. A Igreja Batista Nazareth, de Salvador, Bahia, manteve uma postura de resistência, “erguendo sua voz de denúncia profética durante o período da ditadura”. Outras comunidades de fé tiveram o mesmo posicionamento, assim como foi histórico e profético o testemunho dos pastores Djalma Torres, também de Salvador, e de David Malta, do Rio de Janeiro.
A Aliança honra, assim, “todas as demais lideranças batistas que não se calaram e enfrentaram corajosamente o regime que atentou contra as liberdades fundamentais do ser humano e do povo brasileiro”.

Veja a Nota Pública completa abaixo:

50 anos depois do golpeAliança de Batistas do Brasil – Um pedido de perdão
A Aliança de Batistas do Brasil, instituição batista de caráter ecumênico, vem a público 50 anos depois do golpe civil-militar no Brasil, para pedir perdão pela conivência, omissão e participação que muitas igrejas e lideranças batistas tiveram durante o período da ditadura militar e civil do Brasil. A omissão, conivência e delação assumida pela maioria destas igrejas no período da ditadura foi um erro lamentável, porém o silencio e a ocultação histórica desse erro torna-lhe ainda mais pecaminoso e vergonhoso.
Mas, quero trazer à memória aquilo que me traz esperança. (Lamentações de Jeremias 3: 21)
No compromisso de fé e esperança queremos também trazer a memória aqueles e aquelas que não se dobraram no período da ditadura no Brasil, a exemplo da Igreja Batista Nazareth (Salvador – BA) que manteve uma postura de resistência, erguendo sua voz de denúncia profética durante o período da ditadura.  No testemunho desta comunidade incluímos todas as comunidades de fé que se mantiveram resistentes, dando testemunho do Evangelho nesse período tenebroso da história recente do nosso país.  E no testemunho histórico e profético dos pastores batistas Djalma Torres (Salvador - BA) e David Malta (Rio de Janeiro – RJ),  honramos todas as demais  lideranças batistas que não se calaram e enfrentaram corajosamente o regime que atentou contra as liberdades fundamentais do ser humano e do povo brasileiro. 
Por ação e omissão pecamos contra os princípios de amor, liberdade e justiça que são as marcas do Evangelho de Jesus Cristo, e por isso pedimos perdão.
Aliança de Batistas do Brasil01 de Abril de 2014.

Odja Barros - Presidente

ALC

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.