Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Paquistão: Cristão condenado à morte denuncia instrumentalização da lei da blasfémia

Sawan Masih faz parte de um grupo de 33 homens e mulheres que enfrentam pena de morte ou prisão perpétua por alegadamente terem ofendido Maomé.
Um cristão paquistanês condenado à morte por ter alegadamente cometido blasfémia, no seu país, recorreu da sentença denunciando que as acusações têm como única base retirar a minoria cristã das suas terras e propriedades.
Num comunicado publicado através da sua página de internet, a Fundação Ajuda a Igreja que Sofre (AIS) explica que “Sawan Masih foi condenado por ter insultado o profeta Maomé durante uma conversa com um amigo muçulmano, ocorrida no bairro de Joseph Colony, em Lahore, em Março do ano passado”.
A Defesa entregou agora um “recurso no Supremo Tribunal de Lahore contra a sentença de morte”, pedindo a sua absolvição e libertação imediata”, uma vez que considera que as provas contra o arguido foram “forjadas”.
Além de Sawan Masih, de 26 anos, estão atualmente no corredor da morte no Paquistão mais 14 pessoas, entre as quais Asia Bibi, uma jovem cristã e mãe de cinco filhos cujo processo já se arrasta há vários anos.
Existem ainda outras 19 pessoas que foram condenadas a prisão perpetua por terem alegadamente insultado o Islão, tudo com base no artigo 295, B e C, do Código Penal paquistanês.
A secção B refere-se a ofensas contra o Alcorão que são puníveis com prisão perpétua; a secção C refere-se a atos que enxovalham o profeta Maomé, puníveis com prisão perpétua ou com a morte.
No caso de Sawan Masih, a Fundação solidária dependente da Santa Sé, que apoia comunidades cristãs em mais de 140 países, adianta que “quando se soube da acusação, mais de 3 mil muçulmanos invadiram Joseph Colony, incendiando cerca de uma centena de casas”.
Segundo um relatório recentemente publicado nos Estados Unidos da América, o Paquistão é o país onde a lei da blasfémia é mais vezes invocada.
Recentemente, a Comissão dos Direitos Humanos do Paquistão, organização não- governamental de nível nacional, alertou para a existência de uma “onda de intolerância” contra os cristãos.
O organismo lamentou também a cobertura que está a ser dada aos episódios de violência levados a cabo pela comunidade muçulmana, que representa mais de 97 por cento da população paquistanesa.

AIS/Fides/JCP via Ecclesia

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.