Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Médica sudanesa cristã condenada à morte tem algemas retiradas

Meriam Yahia Ibrahim Ishag foi condenada em 15 de maio em virtude da lei islâmica, que proíbe se converter a outra religião; algemas foram retiradas por ordem médica.
As autoridades penitenciárias retiraram, por ordem médica, as algemas que uma jovem sudanesa condenada à morte por apostasia (abandono ou negação da fé) utilizava, anunciou um de seus advogados nesta terça-feira.
O caso de Meriam Yahia Ibrahim Ishag, uma cristã de 27 anos condenada à morte por apostasia e que há pouco tempo deu à luz na prisão, provocou uma onda de indignação internacional.
"Retiraram as algemas" depois que deu à luz uma menina na prisão, anunciou à AFP um de seus advogados, Mohanad Mustafa.
De pai muçulmano, Meriam Yahia Ibrahim Ishag foi condenada à morte no dia 15 de maio em virtude da lei islâmica em vigor, que proíbe se converter a outra religião.
Casada com um cristão e também mãe de um menino de 20 meses, a mulher também foi condenada a 100 chibatadas por adultério, já que, segundo a interpretação sudanesa da sharia, toda união entre uma muçulmana e um não muçulmano é considerada um adultério.
Após o nascimento de sua filha, Ishag foi transferida da cela que dividia com outras mulheres à clínica da prisão, indicou seu advogado.
Os presidentes das instituições da União Europeia (UE), assim como os representantes das principais religiões na Europa fizeram na terça-feira passada um apelo para a libertação desta mulher.
José Manuel Durão Barroso, Herman Van Rompuy e Martin Schulz, presidentes da Comissão, do Conselho e do Parlamento Europeu, respectivamente, convocaram as autoridades sudanesas a respeitar a liberdade de religião, a revogar o "veredicto desumano" pronunciado contra Ishag e a libertá-la.

Terra

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.