Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Igreja deverá pagar R$ 20 mil de danos morais a ex-presbítero

O juiz Atílio César de Oliveira Junior, em atuação pela 1ª Vara Cível de Campo Grande, julgou parcialmente procedente a ação movida por G.P.C. contra uma igreja que o afastou do cargo de presbítero, condenando-a a efetuar o pagamento de R$ 20 mil de indenização por danos morais.
Narra o autor da ação que era presbítero da igreja e, em maio de 1997, soube por meio de duas mulheres que frequentavam o local que um pastor estaria praticando assédio sexual e levou o tema ao conhecimento do conselho da igreja, a fim de que as devidas providências fossem tomadas.
Porém, foi surpreendido com a medida dos membros do conselho, que resolveram ocultar a história, determinando que ele informasse aos fiéis da igreja que as supostas denúncias não tinham fundamento, e foi afastado de sua função após descumprir as ordens.
Disse que retornou ao cargo apenas em 2003, após ter recorrido à corte maior da igreja, mas pediu sua exclusão desta, pois havia se passado muito tempo e os membros não confiavam nele.
Sustentou ainda que comprou um lote de uma chácara loteada pela ré e que nunca obteve a documentação e nem pode usar o local, que é utilizado para encontros recreativos, pois se sente incomodado com os olhares e comentários dos membros da igreja.
Desta forma, pediu pela condenação da ré para que efetue o pagamento de indenização por danos materiais referente ao preço que pagou pelo lote e indenização por danos morais, pois passou a ser perseguido por publicações nos jornais da igreja, e foi rejeitado por muitos membros desta.
Em contestação, a igreja alegou que o autor foi afastado por tempo indeterminado de suas funções, pois ele passou a agir de forma desrespeitosa com esta e membros do conselho e deixou de cumprir suas obrigações de presbítero.
Além disso, sustentou que foi realizado um consórcio entre os membros da igreja para a compra de uma chácara, onde seriam realizados os acampamentos para retiros espirituais, e que ficou acordado que parte do terreno seria doado à ré.
Ao analisar os autos, o magistrado observou que o laudo psicológico apresenta que a atitude da igreja refletiu na vida familiar, conjugal e religiosa do autor, e que a sua reintegração ao cargo de presbítero gerou descontentamento dos demais membros da igreja e fez com que ele pedisse sua exclusão.
Assim, o pedido de indenização por danos morais foi julgado procedente, pois o autor foi submetido a um conjunto de situações vexatórias que fogem do normal e interferiram no seu comportamento psicológico, causando-lhe aflições e desequilíbrio em seu bem-estar.
O pedido de indenização por danos materiais foi julgado improcedente, pois o autor não apresentou provas que sofreu prejuízo em seu patrimônio por não estar em boa convivência com seus vizinhos.

Processo nº 0367495-97.2008.8.12.0001

JusBrasil

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.