Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Culto noturno atrai jovens com shows, teatro e megafestas

Com luz baixa, som alto, piscina para batismo e carros de luxo no estacionamento, igreja Lagoinha atrai jovens e lota templo em Charitas.
Sabe aquela imagem tradicional de uma igreja evangélica, onde as paredes são todas brancas e o espaço bem iluminado? Esqueça. Fundada em julho de 2013, a Lagoinha, em Charitas, foge dos padrões, investe na luz baixa, no som alto, no jogo de iluminação e no estilo despojado. E dá certo. Em um ano e oito meses, a igreja já conta com 5.700 fiéis. Só no culto do último domingo à noite, 89 jovens foram batizados, numa dinâmica que mais parece com a de grandes shows internacionais — com piscina, mudança de piso do palco, fotos, vídeos e GoPro. Três mil pessoas lotaram o espaço de dez mil metros quadrados, mesmo com o temporal que atingiu a cidade.
Logo na entrada, nota-se que o ambiente é diferente. Voluntários entregam balas com o logotipo da igreja e, mais adiante, um grande painel se torna parada obrigatória, especialmente para jovens, que não perdem a oportunidade de fazer uma selfie, como é comum na entrada de boates. Moças usam e abusam de maquiagens e saltos altos. Rapazes investem nas camisas polo e nos mais variados estilos de corte de cabelo — alguns coloridos. O próprio pastor Felippe Valadão, de 32 anos, foge do terno e gravata e aposta na calça colorida, mas diz que não existe um foco em atrair mais os jovens:
— Temos aqui fiéis de todas as faixas etárias, famílias inteiras. A ideia, na verdade, era que o espaço fosse frequentado por pessoas que nem pensariam em entrar numa igreja evangélica tradicional. Nada contra, pelo contrário, elas são importantíssimas, mas queríamos mostrar que somos diferentes. A luz baixa é para que as pessoas se concentrem mais durante o culto, para que não fiquem olhando umas para as outras. Apenas isso.
Mas a semelhança com a fachada de boates é inevitável. Tanto que o atual baixista da banda da Lagoinha, Gustavo Moura Ferreira, o Guto, conheceu a igreja por acaso, em novembro de 2013. Ele estava passando de carro quando viu uma grande fila, resolveu entrar e se surpreendeu.
— Na época, eu era usuário de drogas. Estava indo a um morro comprar para usar. Quando vi a fila, não pensei duas vezes. Como liam a Bíblia em smartphones, não parecia ser a entrada de uma igreja. Achei realmente, pelo tamanho, que era uma boate. Entrei, vi tudo lotado, e só quando o pastor começou a falar percebi o que estava acontecendo. Tentei até sair, mas estava tão cheio que acabei ficando. A partir dali me converti. Os R$ 50 que ia usar para comprar drogas doei para a igreja — conta Guto, que no último dia 14 se casou com Alessandra, uma jovem que já frequentava o templo.

A Lagoinha é conduzida pelo pastor Felippe Valadão e pela mulher dele, Mariana. A igreja é tradicional em Belo Horizonte e chegou a Niterói por acaso. Diante de uma crise familiar, o casal decidiu voltar a morar na cidade. Aos poucos, os encontros de oração dentro de casa foram lotando e houve a necessidade de buscar um espaço para receber mais pessoas. A dupla, que não gosta de falar sobre dinheiro, garante que a igreja sobrevive das doações que recebe e que todos que lá trabalham — inclusive eles — são voluntários.
— Não gostamos de tocar nessa questão do dinheiro, tanto que durante o culto eu falo bem rápido sobre a contribuição. Acho que, por isso também, acabamos atraindo mais as pessoas. Não é uma exploração. Temos aqui médicos, advogados, megaempresários que se sentem mais à vontade frequentando a Lagoinha porque não forçamos nada em relação a dinheiro — explica o pastor, informando que o aluguel mensal do espaço gira em volta de R$ 100 mil.

FERRARIS NO ESTACIONAMENTO
A frequência de fiéis de maior poder aquisitivo pode ser notada já no estacionamento. Grande parte das 260 vagas é ocupada por Ferraris, Hondas, Mitsubishis. Figuras conhecidas como o goleiro Jefferson, da seleção e do Botafogo, e o funqueiro MC Leozinho participam dos cultos sempre que podem. Muita gente do Rio, de bairros como Barra da Tijuca, Flamengo e Olaria, comparece aos cinco cultos espalhados na semana — o de sábado à noite é focado nos jovens.
O técnico de segurança Bruno Miguez, morador de Olaria, vai sempre com o carro lotado de amigos e familiares do Rio.
— A cada dia que passa tenho ainda mais vontade de vir — diz ele:
O clima de paquera entre jovens, muitas vezes, é incentivado pelo próprio pastor, no culto.
— O mundo aí fora está muito ruim, muita coisa triste acontecendo. Está solteiro? Venha aos cultos, especialmente ao culto jovem. É aqui que você vai se arrumar. É melhor que os casais se formem aqui dentro, casais de Deus. E nós gostamos de saber quando eles começam a namorar, abençoamos. Já saíram muitos casamentos daqui.

Publicado no Globo

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.