Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Novo programa da disciplina de Religião revolta cientistas e alguns pais na Espanha

Novo programa da disciplina pede aos alunos que reconheçam a "incapacidade da pessoa para alcançar por si mesma a felicidade", sem Deus.
O novo programa da disciplina de Religião, aprovado recentemente pelo governo espanhol, está a causar polémica em Espanha. Da comunidade científica a grupos de pais que recomendam que os alunos não escolham esta disciplina, o novo programa, que elimina referências a outras religiões e pede aos alunos que reconheçam "a origem divina do cosmos", está a levantar críticas.
Aprovado na semana passada, o programa, que se aplica a alunos desde o jardim de infância ao ensino secundário, inclui objetivos como reconhecer "a incapacidade da pessoa para alcançar por si mesma a felicidade", e "a origem divina do cosmos", "que não tem origem no caos nem no acaso".
"Os dogmas não deveriam ter lugar nas aulas de um país secular", disse ao El País o presidente da confederação de pais de alunos da escola pública, Jesus Salido. A confederação recomenda aos pais que não matriculem os seus filhos na disciplina. Mesmo um dos sindicatos de professores de Religião desaprova do novo programa. "Acentua a confessionalidade de uma forma exacerbada, usa-se como catequese para evangelizar o aluno de uma forma ilegítima", criticou Alfredo Sepúlveda, responsável do sindicato USIT, que acredita que se perdeu uma oportunidade de abrir o currículo às "mensagens novas que lança o Papa Francisco".
O programa foi elaborado pela Conferência Episcopal Espanhola, e difere do anterior, que tinha sido aprovado em 2007, pois deixa de fazer referência a religiões além da cristã e a temas polémicos como o aborto ou a eutanásia, que antes pertenciam ao currículo da disciplina. Cientistas e filósofos consultados pelo El País consideraram o novo programa "injustificável".
Quanto ao ponto do programa que requer que o aluno reconheça "com assombro e procure compreender a origem divina do cosmos", o físico teórico Alberto Casas declarou-se perplexo. "Parece-me um erro, bastante incrível neste ponto, continuar a recorrer a mistérios inexplicados", disse Casas, da Universidade Autónoma de Madrid.

Publicado no DN

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.