Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Ensino não pode ser de religião específica, diz conselho de educação

O ensino religioso deveria ser banido da grade curricular de alunos do ensino fundamental público. Como essas aulas estão previstas na própria Constituição, elas devem, então, ter caráter não-confessional, sem priorizar uma ou outra religião.
A avaliação é do CNE (Conselho Nacional de Educação), colegiado vinculado ao MEC (Ministério da Educação) e responsável por formular e avaliar a política nacional de educação. Caberá ao grupo, por exemplo, analisar um currículo nacional para a educação básica, atualmente em discussão.
"As informações, demandas e reclamações que chegam ao CNE e a outros espaços institucionais sobre os modos de exercício do ensino religioso tanto negam a laicidade do Estado () quanto escancaram as escolhas de conteúdos doutrinários disseminados por postura didática confessional", disse o conselheiro Luiz Roberto Alves nesta segunda-feira (15), em audiência pública no STF (Supremo Tribunal Federal).
"Espera-se, pois, que chegue logo o dia em que a LDB [Lei de Diretrizes e Bases] será escoimada [libertada] do componente escolar ensino religioso", concluiu ele, em nome do conselho.
Durante todo o dia, a Corte realiza audiência pública para ouvir entidades, especialistas e líderes religiosos sobre ação da PGR (Procuradoria-Geral da República) que questiona o modelo confessional do ensino religioso. Relator do tema no Supremo, o ministro Luís Roberto Barroso promete definir seu voto no próximo semestre.

"SITUAÇÃO DE TENSÃO"
A defesa do ensino religioso não-confessional também foi feita por representante do comitê nacional de respeito à diversidade religiosa, colegiado vinculado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência.
"Não é lícito que uma religião imponha à nação seus pontos de vista e não podemos deixar os espaços públicos republicanos serem ostensivamente ocupados e controlados por quaisquer comunitarismos ou igrejas", afirmou.
A grande maioria dos convidados para a audiência pública foram favoráveis a esse ponto de vista.
"O Estado tem que tomar as rédeas desse processo. O ensino religioso está em situação de tensão –e não de harmonia– com o Estado laico", argumentou o professor de direito da USP Virgílio Afonso da Silva.

ACORDO COM SANTA SÉ
A ação da PGR também questiona trecho de decreto de 2010, assinado entre Brasil e o Vaticano que prevê "o ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas" como disciplina das escolas públicas de ensino fundamental.
O então representante do Brasil no Vaticano, Luiz Felipe Corrêa, defendeu os termos do documento e o ensino confessional. Segundo ele, o termo utilizado na Constituição para as aulas (ensino religioso) já indica que a disciplina deve focar em uma ou mais religiões - caso contrário, usaria o termo "ensino das religiões" para indicar que as aulas devem transcorrer sob viés histórico.
"O acordo assegura não apenas o ensino católico, mas igualmente o ensino de outras religiões que o demandem" disse Corrêa.
O deputado federal Pastor Eurico (PSB-PE) adotou posição semelhante e criticou o que considera ser uma "ideologia de gênero" nas escolas.
"Alguns querem tirar o ensino religioso [da escola], mas por outro lado há outra religião que querem introduzir: a da desconstrução da fé e daquilo que a pessoa crê. No meu caso, creio em Deus", disse ele em nome da Frente Parlamentar mista em defesa da família e em apoio à vida, formada por 268 deputados e senadores.

Publicado em Folha de S.Paulo

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.