Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Aplicativo para pagar dízimo é nova peça da tecnologia evangélica

A onipresença, prega a máxima religiosa, é um dos maiores dons divinos.
Virou também uma fórmula a ser seguida por empresários que, de olho no segmento evangélico e com ajuda da tecnologia, esperam conectar igreja e fiéis 24 horas por dia, sete dias por semana.
Sob o slogan "a palavra do Senhor a qualquer hora, em qualquer lugar", o iFé é um aplicativo que agrega vários serviços direcionados a esse público. Por R$ 20 mensais, o usuário pode pagar seu dízimo pelo smartphone, usando o Eu Contribuo. Também consegue compartilhar sua localização para que os outros saibam, por exemplo, se está no culto das 20h —uma espécie de Foursquare gospel batizado Tô Aqui, Irmão.
O pacote também inclui uma rede social específica para igrejas que o contratarem, canal de vídeo com artistas evangélicos e cultos, Bíblia on-line e um canal direto com o pastor, o Quero te Escutar.
Um dos idealizadores do iFé, o católico Julio Marcelino, 44, fez as contas: o Brasil tem 277 milhões de linhas (mais de uma por habitante) e 45 milhões de evangélicos, muitos deles alçados à classe C nos últimos anos e sedentos por consumo.
Ele espera abocanhar 15% desse filão nos próximos cinco anos. "Espaço para crescer é o que não falta", aposta.
O problema, diz, é que as igrejas parecem ter estacionado no "Antigo Testamento" da internet. Para Marcelino, muitos sites são "rústicos demais", e a interatividade (a "alma do on-line") não evoluiu tanto assim desde priscas eras de conexão discada.
"Se o fiel queria falar com o pastor, tinha que entrar no site, escrever seu nome, pôr o e-mail e enviar até aparecer lá: 'Obrigado, iremos entrar em contato com você'." O que podia demorar dias, isso quando de fato respondiam.
"A ideia é encurtar essa janela. Agora, é entre o pastor e o fiel", afirma Marcelino.
Entre o iFé e o mercado de 45 milhões de fiéis, o caminho começou a ser abreviado no Salão Internacional Gospel. O aplicativo foi lançado na feira de negócios voltada ao segmento e realizada no começo deste mês, no Expo Center Norte, em São Paulo.

EVENTO
Pelos evento passaram de seguradoras (a Mapfre tem planos especiais para igrejas) a skatistas —havia uma pista de skate no local e uma marca, Trinity, que vendia modelos a R$ 155, com Bíblias grafitadas e inscrições do tipo "tudo posso com meu Deus".
Cerca de 30 mil pessoas circularam pelo Salão Gospel, segundo a organização, que calcula ter movimentado cerca de R$ 100 milhões. Em três dias de feira, consórcios de imóveis negociaram cotas para igrejas a R$ 190 mil, agências venderam viagens a Israel (terra sagrada para evangélicos) por US$ 7.000 a pessoa, e um cruzeiro gospel (com controle de casais e sem álcool) saiu por R$ 3.500.
O letreiro do Faceglória, um dos estandes mais disputados, entrou na mira de várias "selfies": uma nuvem envolvendo o nome da "rede social perfeita para você compartilhar o amor e a sabedoria cristão com outras pessoas", como era descrita.
Feito a imagem e semelhança do Facebook (que já encrencou judicialmente com esse nome), o Faceglória juntou 190 mil membros desde a inauguração, em junho, junto com a Marcha para Jesus.
Com menos recursos e design mais capenga, trocou o botão da aprovação: em vez de "curtir", lá é "amém".
Acir Filló, o criador, diz que sua criatura é uma alternativa a "outras redes excessivamente abertas", repletas de "pornografia, violência e dois homens se beijando". Assim como o aplicativo iFé, o serviço tem filtros contra o que considerada "inapropriado".
"Ninguém é obrigado a conviver com isso", diz Filló. Para curtir, é só dar "amém".

Publicado na Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.