Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Israel proíbe grupos de muçulmanos que protestam no Monte do Templo

Israel proibiu os grupos de homens e mulheres muçulmanos que costumam fazer guarda junto aos acessos da Esplanada das Mesquitas de Jerusalém e repreendem os judeus que estão na região ou bloqueiam sua passagem.
O ministro israelense de Defesa, Moshe Yaalon, assinou ontem à noite a norma que declara estes grupos independentes, conhecidos como "murabitun" (guardiães) ou "murabitat" (guardiãs, em árabe), "organizações ilegais", após receberem recomendações da polícia e do Serviço de Inteligência Interior.
Nas últimas semanas as forças de segurança israelenses estavam de olho em ativistas muçulmanos, particularmente mulheres, que participavam deste tipo de atividade.
Tratam-se de voluntários palestinos que vão à esplanada para "protegê-la" do que consideram "ataques de colonos que pretendem judaizá-la", explicaram vários deles à Efe.
Durante as horas em que estão permitidas as visitas de turistas ao lugar, muitas delas se posicionam junto aos acessos do recinto sagrado e quando um judeu com quipá (solidéu) ou ultra-ortodoxo passa em frente a elas, gritam bem alto "Alahu Akbar" (Alá é grande), e tentam bloquear sua passagem.
Estas atuações também acontecem junto aos acessos controlados por agentes israelensesde segurança privada, que costumam revistar devotos e turistas que vão ao Muro das Lamentações, limite da Esplanada das Mesquitas.
Este é um dos pontos mais explosivos da região, que abriga as mesquitas de al-Aqsa e a Cúpula da Rocha, terceiro lugar mais sagrado para o islã (conhecido em árabe como Nobre Santuário), e o primeiro para o judaísmo, porque ali começaram os templos de Jerusalém, daí o nome Monte do Templo.
Ele fica na velha cidadela amuralhada, na parte leste da cidade, território ocupado por Israel na guerra de 1967.
O Ministério da Defesa argumentou que a medida "era necessária para defender a segurança do estado, o bem-estar social e a ordem pública".
Yaalon assinalou que "Israel permite a liberdade de expressão e de culto a todos os seus cidadãos e turistas, mas não permitirá que elementos violentos e instigadores prejudiquem a ordem pública e ameacem a segurança dos fiéis, especialmente em um lugar santo sensível como é o Monte do Templo".
A declaração foi aprovada pelo Procurador-geral do Estado, Yehuda Weinstein, e significa que de agora em diante quem participar destes atos ou organizar atividades desse tipo poderão ser presos.
O xeque Azam Tamimi, responsável pelo Waqf de Jerusalém - autoridade muçulmana a cargo da gestão do recinto - condenou a decisão e assinalou que "deve ser legal a qualquer muçulmano que desejar entrar nas mesquitas e em nossos lugares sagrados, assim como alçar nossa voz".

Publicado em EFE via Terra

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.