Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Negada ação contra Igreja por suposta reprovação em estágio para esposa

A Justiça Estadual (TJRS) não concedeu indenização por danos morais e patrimoniais a mulher que alegou ter tido sua vida pessoal e profissional prejudicada pela reprovação de bispos da Igreja Universal Reino de Deus. Segundo a autora, vetaram a sua união matrimonial com um pastor, sob o argumento de que era gorda e mais velha que o noivo. Além disso, teria sido obrigada a prestar serviços domésticos e proibida de se apresentar em grande casa de shows na Capital, o que teria prejudicado sua carreira de cantora gospel.

Caso
A autora ingressou na Justiça contra a Igreja Universal do Reino de Deus. Nos autos, apresentou-se como cantora Gospel de sucesso contando que estava prestes a lançar um álbum de músicas em evento artístico chamado Noite de Milagres, realizado no Pepsi On Stage, em Porto Alegre. Conta que os bispos a impediram dizendo que a atitude era incompatível com a postura a se esperar de uma esposa de pastor. Sustentou que, devido a isso, teve comprometida sua ascensão como cantora gospel, inclusive tendo perdido patrocínio.
Paralelamente à carreira artística, pretendia constituir família, casando-se com um pastor da Igreja Universal. Para a realização do matrimônio precisava do consentimento dos bispos, o que não obteve. Atribuiu a negativa a preconceito por sua idade e peso. Contou ainda que, para ser aceita na comunidade religiosa, foi obrigada a passar por um estágio de esposa, enfrentando situação degradante de trabalho doméstico não-remunerado (como trabalhar e limpar a Igreja ou fazer faxina em casas de outras esposas), além se ser forçada a se submeter a testes de virgindade e de HIV.
Afirmou que as exigências e perseguições praticadas prejudicaram sua vida profissional e pessoal, causando-lhe prejuízos de ordem moral e patrimonial, pois seu casamento foi adiado em quatro ocasiões. Além disso, teve também seu show cancelado perdendo, inclusive, a gravação de CD e seus patrocinadores.
A Igreja Universal do Reino de Deus contestou, argumentando que a autora teve discernimento para escolher entre participar ou não de uma religião, sem apresentar qualquer vulnerabilidade. Referiu ainda que a autora teve livre arbítrio para suas decisões pessoais e profissionais. Sobre o evento Noites de Milagres, a Igreja apontou incompatibilidade da agenda dos artistas. Rejeitou ter obrigado a autora a realizar testes de virgindade e exame de HIV, além de estágio de esposa. Afirmou somente que a autora exerceu atividade de obreira na condição de voluntária, sem nunca ter sido obrigada a tanto.

Sentença
O Juiz Walter José Girotto, da 17ª Vara Cível do Foro Central da Capital, julgou parcialmente procedente o pedido indenizatório determinando que a Igreja pagasse o montante de R$ 12 mil a título de dano moral. O magistrado considerou caracterizado como vexatório o procedimento de aprovação para esposa de pastor.

Apelação
Ambas as partes recorreram: a igreja pedindo a improcedência da ação e a autora postulando o aumento do valor da indenização, além da reparação por danos patrimoniais.
A decisão de 1º Grau foi reformada pelos integrantes da 10ª Câmara Cível do TJRS que, por unanimidade julgaram improcedente o pedido. Os magistrados consideraram que a autora é uma pessoa plenamente capaz e leva uma vida independente, com claro discernimento entre o certo e o errado, tendo tomado suas decisões no exercício do livre arbítrio e de acordo com seus próprios interesses.
Os apelos foram apreciados pelo Desembargador Túlio de Oliveira Martins. Para o relator, a prova oral extensa e nitidamente contraditória. Entretanto, ficou claro que de modo algum a autora apresentava-se em uma condição de vulnerabilidade ou fragilidade. Todas as testemunhas, quando questionadas, foram unânimes em afirmar que a mesma é pessoa plenamente capaz para a vida civil, possuindo discernimento entre o que é certo e errado e levando uma existência independente e saudável física e mentalmente.
Ressaltou que a liberdade de religião garante ao cidadão o direito de não participar de um determinado culto, bem como assegura às associações religiosas se organizarem internamente de acordo com as regras mais adequadas à congregação.
Quando é possível a manifestação da vontade livre de qualquer vício de consentimento, como é o caso dos autos ¿ em que a autora poderia ter se negado a aderir às regras da Igreja-, a iniciativa individual deve ser preservada, sem interferências estatais, pois se assim não fosse, teríamos uma sociedade absolutamente dirigida e aniquiladora das liberdades individuais, ponderou o magistrado.
No caso em questão, avaliou que a autora tinha capacidade de julgamento e, por livre e espontânea vontade, decidiu seguir as regras da irmandade. Além do tão sonhado casamento com o pastor, a permanência na Igreja também favorecia sua carreira musical, porque cantava nos cultos e distribuía material dos shows entre os fiéis.
Acompanharam o voto, negando a reparação, os Desembargadores Marcelo Cezar Müller e Jorge Alberto Schreiner Pestana.

Apelação Cível nº 70064724271

Publicado em Âmbito Jurídico

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.