Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Padre teria desviado R$ 2 milhões de fiéis para comprar cobertura de luxo

Além de ser padre, Osvaldo Palópito era coronel militar em São Paulo.
Escutas mostram ele xingando mulheres e falando dos desvios de dinheiro.
Escutas telefônicas revelam detalhes de conversas de um padre coronel acusado de desviar milhões de uma igreja militar em São Paulo. O nome do padre é Osvaldo Palópito. Em 1989, ele prestou concurso para a PM e, até o ano passado, comandou a Capela Militar de Santo Expedito, em São Paulo. Ele acumulava o cargo de coronel e rezava missas.
Segundo o Ministério Público Militar, Palópito teria desviado cerca de R$ 2 milhões doados por fiéis à igreja.
O dinheiro teria sido usado para comprar imóveis, entre eles uma cobertura em um condomínio de luxo no litoral de São Paulo. Por essa suspeita, o padre foi preso em maio deste ano, mas saiu da cadeia no mês passado e vai responder ao processo em liberdade.

Padre: Tem apê ainda de 750 paus.
Amigo: 750 só? É hora de comprar pra se vender por 3 milhões. A minha vontade é vender a cobertura aqui e comprar uns quatro lá.

“Tinha um salário razoável, mas que não lhe permitiria ter uma cobertura avaliada em mais de R$ 2 milhões, vários carros, imóveis, apartamentos”, explica Marcelo Alexandre de Oliveira, promotor de Justiça Militar.
Uma testemunha que trabalhava na igreja contou que existia uma conta secreta usada para desviar o dinheiro.

Padre: Porque essa outra receita ia para o coronel.
Juiz: O senhor ia pessoalmente na boca do caixa?
Padre: Isso.
Juiz: O senhor ia quantas vezes por semana?
Padre: Vamos colocar, assim, diariamente.
Juiz: E as quantias eram determinadas ou eram variadas?
Padre: Eram variadas.

À Justiça Militar, o padre negou as acusações.
“Ele pode falar o que ele quiser. Tenho plena consciência de que nunca precisei de um centavo da igreja. Pelo contrário, quando pude ajudar, eu ajudei. Meu patrimônio não chega a metade do que eu ganhei trabalhando na polícia”, alega o padre Osvaldo Palópito.
O padre rezava missa na Capela de Santo Expedito toda semana, mas o comportamento dele fora da igreja era bem diferente do que ele pregava para os fiéis.

Padre: É maldita, é maldita. É horrorosa, ela é feia. Eu falei para ela: fala para as suas filhas ‘dar’ em cima de mim, não você que é horrorosa. Lembra disso?
Amiga: Eu lembro.

Esse é um trecho de uma ligação telefônica entre o padre coronel e uma amiga. Ela conta o que ouviu de outra mulher. Padre: O que ela falou?

Amiga: Falou para mim que o senhor que agarrou ela e jogou na mesa.
Padre: Ela me agarrou. Eu falei: a sua filha, sim, é uma gracinha. Fala para ela ficar nua perto de mim, não você”, diz padre em ligação telefônica.

“Eu tenho uma carreira na igreja. Nunca ia macular a igreja e nunca ia macular o nome da Polícia Militar”, diz o padre.
“Não é o comportamento que se espera de um padre como não é o comportamento que se espera de um comandante de uma unidade da Polícia Militar", pontua o promotor Marcelo Alexandre de Oliveira.
O advogado do padre Osvaldo diz que o cliente é inocente. Quanto ao comportamento em relação a mulheres, ele afirmou que isso não é alvo do inquérito militar.
Em nota, o Ministério da Defesa, responsável pela capela militar, disse que vai analisar o caso, de acordo com as normas da igreja e que as conclusões serão enviadas ao Vaticano.
A Polícia Militar de São Paulo abriu processo administrativo que pode resultar na expulsão do padre.
Assista o vídeo:

Publicado em Jornal da Globo


Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.