Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Trabalho escolar sobre cultura africana causa confusão entre deputado e Educação

Rodrigo Delmasso (PTN) pediu explicações à escola de Ceilândia após professora passar trabalho envolvendo candomblé.
Um trabalho escolar sobre culturas africanas causou desconforto entre o Centro de Educação 07, de Ceilândia, e o deputado distrital Rodrigo Delmasso (PTN).
Uma das professoras pediu que os alunos apresentassem um projeto sobre questões culturais africanas envolvendo aspectos religiosos. De acordo com o coordenador regional de ensino de Ceilândia, Marco Antônio de Souza, uma das alunas se sentiu obrigada a usar as vestimentas características da religião e fez uma reclamação no gabinete do deputado.
“Ninguém foi obrigado a usar as roupas. Havia várias etapas dentro do projeto e cada um poderia fazer a etapa que achasse interessante”, afirmou. Segundo ele, o projeto sobre culturas africanas está sendo tocado em parceria com o Ministério da Educação e a Secretaria de Cultura.
Souza explicou que há leis que obrigam o ensino de cultura africana e indígena das escolas.
Ao receber a denúncia da aluna, Delmasso se revoltou e pediu explicações à direção da escola. "A professora a obrigou a ensinar os ritos, como ela se recusou a professora disse que ela não teria nota", contou Delmasso, que retrucou: "Se a aluna sentiu sua liberdade religiosa ferida, que a professora arranje outro trabalho para ela fazer".
Um assessor do deputado foi à escola na tarde desta sexta-feira (4) cobrar explicações. O assessor foi acompanhado de um documento dizendo que a direção teria até às 15h para responder os questionamentos.
O caso aconteceu poucos dias após um incidente que acendeu a discussão sobre intolerância religiosa, sobretudo contra religiões de matrizes africanas. No final de semana passado, um terreiro de candomblé pegou fogo. A polícia investiga se o incêndio foi criminoso.
O distrital negou que sua atitude tem caráter de intolerância religiosa. "Não se trata de intolerância religiosa, até porque sou presidente da comissão da diversidade religiosa, mas não podemos permitir que a religião das pessoas seja afrontada”, disse.
Até o fechamento deste texto, a reportagem não conseguiu falar com a diretora da escola ou a professora que passou o trabalho.

Publicado em Fato Online

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.