Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Bancada evangélica é vitoriosa em questões sobre aborto e gênero

A bancada evangélica conseguiu duas vitórias nas votações no plenário da Câmara nesta quinta-feira na batalha anti-aborto e anti-gays e a comunidade LGBT. Ao apreciar destaques à Medida Provisória 696, que trata de cortes de gastos e ministérios do governo, os evangélicos aprovaram duas mudanças na competência do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos sobre aborto e gênero. As mudanças — de efeito mais simbólico do que prático — provocaram debates acirrados em plenário entre evangélicos e deputados de partidos mais à esquerda, que tentaram evitá-las.
Na primeira votação, foi aprovada uma emenda do deputado Alan Rick (PRB-AC) que diz que o Ministério das Mulheres tem obrigação de atuar em conformidade com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica). O texto original dizia apenas "em conformidade com o Programa Nacional de Direitos Humanos". O pacto, em um de seus artigos, diz que o direito à vida tem que ser respeitado desde o momento da concepção. "Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente", diz o deputado evangélico na justificativa.
A votação foi simbólica, Cunha anunciou o resultado e os deputados contrários à aprovação demoraram para pedir verificação e tentar evitar, por meio de votação nominal, a aprovação da emenda. Quando se deram conta, Cunha disse que não concederia a nominal, que era matéria vencida, gerando protestos e indignação no plenário.
— Senhor presidente, faça a nominal. Ninguém viu a decisão, e o painel era claro, a maioria dos partidos era contra a aprovação dessa emenda. O senhor está tomando uma decisão política — criticou o líder do PSOL, Ivan Valente (SP).
Houve protestos também de deputadas petistas, mas Cunha não voltou atrás.
— O painel nem sempre é a garantia de resultado. A maioria não rejeitou a emenda — disse Cunha.

Atribuição retirada do ministério
A segunda votação também foi de um destaque apresentado pelo PRB e que conseguiu retirar das atribuições do Ministério das Mulheres a expressão "incorporação da perspectiva de gênero" na promoção da igualdade entre homens e mulheres, por 188 votos a 166, além de duas abstenções. Os evangélicos alegaram que a expressão gênero permitia interpretação que vai além da defesa dos direitos de homens e mulheres, podendo abranger a comunidade LGBT.
— A ideologia de gênero nada mais é do que a destruição da família, célula mater e base da sociedade. Portanto, vamos votar não à ideologia de gênero para defender a família dos brasileiros — apelou o deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ).
— Não podemos admitir o conceito do novo modelo de sociedade, que se esconde atrás da ideologia de gênero, que quer introduzir uma terceira ordem sexual, até porque o modelo defendido pela sociedade brasileira está fundamentado em princípios cristãos. Nós precisamos preservar aquele modelo de família. A família se constitui através da união de um homem e uma mulher, para a preservação da sua prole — acrescentou Ronaldo Nogueira (PTB-RS).
Deputados de partidos mais à esquerda criticaram a medida nos microfones do plenário:
— Esse fundamentalismo tem que acabar no Congresso Nacional — criticou a deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ).
O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), inconformado, gritava enquanto deputados evangélicos defendiam a medida. Depois, comentou:
— São intervenções de uma ignorância atroz. Não sei se é burrice ou má-fé. Daqui a pouco vão querer vetar até mesmo o uso da palavra gênero quando for tratar de gênero alimentício — criticou Jean Wyllys.
O plenário finalizou nesta quinta-feira a votação da MP 696, que reduz de 39 para 31 o números de ministérios do governo Dilma Rousseff.
Em nota, a secretária de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, lamentou a retirada da expressão "perspectiva de gênero” como uma das atribuições do ministério na votação da MP na Câmara. "A Secretária Especial reitera que a perspectiva de gênero se sustenta na busca pela equidade entre mulheres e homens e ressalta a importância da manutenção da expressão nas atribuições do ministério", diz o texto.

Publicado em Extra

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.