Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Igreja exibe na França 'túnica de Cristo', que teria sido usada no caminho para a cruz

Após restauração, peça que teria sido usada por Jesus a caminho da crucificação é uma das maiores relíquias do catolicismo, mas sua autenticidade não é consenso.
A túnica que teria sido usada por Jesus Cristo antes de ser crucificado foi recentemente restaurada na França e está sendo excepcionalmente exibida na basílica Saint-Denys de Argenteuil, nos arredores de Paris, atraindo milhares de visitantes.
A peça de roupa é considerada pela Igreja Católica uma das maiores relíquias do cristianismo, ao lado do sudário de Oviedo e do lençol de Turim, que teria envolvido o corpo de Jesus no sepulcro.
A Santa Túnica, como é chamada a vestimenta que teria sido usada por Cristo no caminho para a cruz, pertence a França há 1,2 mil anos. A imperatriz Irene de Constantinopla (atual Istambul, na Turquia) teria oferecido, no início do século 9, a peça de presente ao rei francês Carlos Magno, que a doou ao clero de Argenteuil.
A Santa Túnica só é exibida ao público (cerimônia conhecida como "ostentação") a cada 50 anos.
Após ter sido mostrada em 1984, a próxima vez seria apenas em 2034. Mas, em razão do recente restauro da peça e das comemorações dos 150 anos da basílica de Argenteuil, a Igreja decidiu antecipar o evento.
Em tempos normais, ela é conservada enrolada como um relicário. Apenas um pequeno pedaço de tecido pode ser visto através de um vidro.
A vestimenta é composta por mais de 20 fragmentos de tecido marrom. Em um restauro anterior, eles haviam sido costurados em um suporte de cetim claro que estava muito deteriorado.
O restauro atual consistiu em retirar os fragmentos da peça original e recosturá-los sobre um tecido mais escuro e mais grosso.
"Constatamos que, com um fundo mais escuro, os buracos da roupa ficam menos visíveis. Dessa maneira, foi possível dar maior coerência, em termos visuais, à túnica", afirma a restauradora de antiguidades Claire Beugnot, que já restaurou várias peças de tecidos para o museu do Louvre.

Autenticidade contestada
Como outras grandes relíquias do cristianismo, a Santa Túnica também tem sua autenticidade contestada por alguns.
Segundo a Igreja, que se baseia em estudos científicos, a túnica pertencente à basílica de Argenteuil é a que foi usada por Jesus antes de ser crucificado.
Desde o século 19, inúmeros pesquisadores científicos analisaram a vestimenta. Foi demonstrado que o material (lã de carneiro), o método de coloração e o processo de tecelagem correspondem às práticas utilizadas na Palestina e na Síria no início da era cristã.
Análises também permitiram identificar a presença de sangue nas costas e nos ombros da túnica, nos locais onde Jesus teria apoiado a cruz para carregá-la.
Um outro exame revelou que o sangue encontrado na vestimenta é do tipo AB, o mesmo presente no sudário de Oviedo e no lençol de Turim.
Mas um teste de Carbono 14, para determinar a idade de tecidos orgânicos, realizado em 2004, revelou que a túnica teria sido feita entre os anos de 530 e 640, ou seja, pelo menos cinco séculos depois da morte de Jesus.

Grande público
Autoridades religiosas afirmam que o teste de Carbono 14 nem sempre é preciso no caso de tecidos antigos.
A Igreja relativiza a conclusão desse teste científico, alegando que o resultado pode ter sido alterado devido ao fato da túnica ter ficado enterrada durante muito tempo e ter, provavelmente, entrado em contato com materiais orgânicos em decomposição.
"Não existe uma etiqueta nas costas onde está escrito Jesus de Nazaré. Temos indícios de que não há contradições em relação a datações antigas", afirma o reitor da basílica de Saint-Denys de Argenteuil, padre Guy Emmanuel Cariot.
"Sabemos que a túnica foi usada por um homem e que há sangue na peça, do mesmo tipo das duas outras grandes relíquias têxteis da Paixão do Cristo", diz o padre, se referindo ao santo sudário e ao lençol guardado na catedral de Turim.
Em sua longa e tumultuada história, a túnica, segundo eclesiásticos de Argenteuil, foi escondida em uma parede do monastério da cidade para protegê-la da invasão dos vikings e só foi descoberta durante obras na Idade Média no local.
Vários séculos depois, na Revolução Francesa, a roupa foi cortada em vários pedaços por um padre e enterrada, também na tentativa de evitar sua destruição total pelos revolucionários.
Os fragmentos só foram localizados muitos anos depois e nem todos as partes foram encontradas, segundo representantes religiosos franceses.
Devido à ameaça terrorista na França, o número de policiais foi reforçado em Argenteuil, justamente a cidade onde foi preso, no final de março, Reda Kriket, suspeito, segundo o governo, de preparar um atentado "iminente" no país. Em sua casa, foram encontrados explosivos e armas.
A Santa Túnica ficará exposta até 10 de abril. A expectativa é que 150 mil pessoas visitem a basílica. Em razão desse grande público, só será possível passar rapidamente em frente à redoma de vidro onde a vestimenta é exibida.

Publicado em G1


Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.