Header Ads



ATUALIZADAS
recent

No Pará, regulamentada isenção de ICMS de energia para templos religiosos

A Sefa regulamentou lei estadual que garante a isenção do ICMS no fornecimento de energia elétrica aos templos religiosos de qualquer culto.
Foi publicada nesta terça-feira (26), no Diário Oficial do Estado, a Instrução Normativa nº 5, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), regulamentando lei estadual que garante a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no fornecimento de energia elétrica aos templos religiosos. O Decreto 1.461/ 2015 garantiu que os templos de qualquer culto ficarão isentos do pagamento do ICMS, desde que tenham os processos aprovados após análise. A declaração de reconhecimento de isenção que será expedida pela Sefa e terá validade de três anos.
Para usufruir da isenção, os templos devem comprovar a propriedade do imóvel por parte da entidade mantenedora, o contrato de locação ou comodato, devidamente registrado em cartório, ou a decisão judicial da posse direta no imóvel; a destinação do imóvel para cerimônias religiosas; o registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) contendo a indicação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (Cnae), específica de templos de qualquer culto; a regularidade fiscal perante à União, Estado e município; o alvará de funcionamento, quando exigido pelo município; e a desvinculação da unidade consumidora de outras atividades no imóvel.
Quando o imóvel se destinar a outro uso, será exigido, para efeitos da isenção, medidor de energia elétrica específico para a parte destinada às cerimônias religiosas. O pedido de isenção deverá ser requerido junto à Diretoria de Tributação, instruído com os documentos exigidos. A isenção do ICMS de que trata a IN 5 não abrange o valor do imposto da operação cobrado pela concessionária de energia elétrica, relativo aos serviços prestados diretamente ao contribuinte consumidor.

Veja como requerer:

1.O interessado deve formalizar requerimento, de forma individualizada ou em grupo, por imóvel ou parte dele que se destine, exclusivamente, à prática de cultos religiosos, dirigido ao secretário de Estado da Fazenda;
2. Protocolar junto à Secretaria da Fazenda o pedido de isenção na unidade de coordenação regional ou especial mais próxima da entidade religiosa usando o formulário que está anexado à IN 5, disponível na área de Legislação do site da Sefa (www.sefa.pa.gov.br);
3. O pedido de reconhecimento de isenção será protocolado de forma individualizada ou em grupo e deverá ser instruído com os seguintes documentos:
I - documento de identidade e Cadastro de Pessoa Física - CPF do representante legal;
II - ata de posse ou procuração outorgada pelo requerente que autoriza o signatário do requerimento a solicitar o benefício em seu nome;
III - Certidão Atualizada de Registro de Imóveis, na hipótese de a entidade religiosa ser proprietária;
IV - contrato de locação ou comodato, devidamente registrado em cartório, no caso de imóvel alugado ou cedido em comodato; V - decisão judicial determinando a posse direta no imóvel, nesta hipótese;
VI - alvará de localização e funcionamento, quando exigido pelo Município;
VII - estatuto de constituição da entidade e última Ata da Assembleia de eleição da diretoria, devidamente registrado em cartório;
VIII - Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), contendo a indicação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (Cnae) específica de templos de qualquer culto;
IX - declaração do representante legal da entidade de que o imóvel objeto do pedido de isenção é usado, exclusivamente, para a atividade de culto religioso;
X - declaração do representante legal da entidade de que o medidor de energia elétrica é de uso exclusivo do local onde ocorre o culto religioso;
XI - indicação das unidades consumidoras;
XII - últimas faturas da conta de energia elétrica da unidade consumidoras;
XIII - Certidão Negativa de Débitos da União, Estado e Município.
§ 1º O requerimento e a procuração citada no inciso II deste artigo deverão ser apresentados no original, com todas as assinaturas reconhecidas em cartório.
4. Para receber o benefício fiscal o imóvel destinado às cerimônias religiosas deve ter medidor de energia elétrica específico, caso parte seja usada em outras atividades;
5. O pedido de reconhecimento de isenção e da renovação será encaminhado à Diretoria de Tributação e será analisado pela Célula de Análise e Acompanhamento dos Incentivos e Benefícios Fiscais (Caif);
6. A isenção do ICMS na fatura de energia elétrica somente será usada pela entidade, a partir da apresentação da declaração de reconhecimento de isenção perante a concessionária de energia elétrica, desde que esta comunicação ocorra em até cinco dias antes da data da leitura do faturamento mensal;
7. O benefício cessará automaticamente os seus efeitos a partir do primeiro dia pelo qual o interessado deixar de promover a continuidade do reconhecimento da isenção;
8. A Secretaria da Fazenda determinará o cancelamento da isenção, a qualquer tempo, caso constate o descumprimento dos requisitos necessários à concessão do benefício, por meio de procedimento de fiscalização, sem prejuízo da cobrança do crédito tributário com seus acréscimos legais e da penalidade cabível, nos casos de dolo ou simulação do beneficiário, ou de terceiro em benefício daquele;
9. A concessionária do serviço de distribuição de energia elétrica ou empresas distribuidoras de energia deverão encaminhar, anualmente, à Secretaria de Estado da Fazenda, a listagem ou arquivo magnético contendo o consumo mensal de cada unidade consumidora beneficiária e o valor do imposto abrangido pela isenção, por templo e por município.

Publicado em Agência Pará

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.