Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Em cerimônia oficial, Jesus Cristo torna-se rei da Polônia

Bispos do país explicaram que o ato mostra o reconhecimento honorário do reinado de Jesus em "todo o mundo".
Jesus Cristo tornou-se o rei da Polônia, e com direito a aval do presidente do país, Andrzej Duda, que no último fim de semana compareceu à cerimônia de entronização acompanhado por vários integrantes do governo e de deputados do partido governante Lei e Justiça.
Esta não é a primeira vez que se concede a Jesus Cristo o trono da Polônia, já que em algumas ocasiões (as mais recentes em Jasna Góra, 1997, e Sagiewnikim, no ano 2000) ocorreram cerimônias parecidas, embora não tenham contado com a presença do chefe de Estado.
Os bispos do país explicaram que o ato não significa literalmente que Jesus Cristo se tornou o rei da Polônia, mas trata-se do reconhecimento honorário de seu reinado em “todo o mundo”, embora na documentação eclesiástica a cerimônia seja descrita como “um ato de aceitação nacional do reino de Cristo e de submissão a seu poder divino”.
A missa de homenagem, que aconteceu no santuário de Lagiewniki, perto de Cracóvia, também contou com cerca de seis mil fiéis, segundo a imprensa local, que viram atendida a vontade de ver Jesus Cristo no trono polonês sete meses depois que a hierarquia católica aprovou a exaltação.
Além de Duda, do partido nacionalista e ultraconservador Lei e Justiça e que presidiu o ato acompanhado por sua mãe, Jadwiga, também estiveram presentes os ministros de Justiça e do Meio Ambiente, Zbigniew Ziobro e Jan Szyszko, e vários deputados da legenda.
A presença de representantes do alto escalão do partido mostra a proximidade entre a Igreja Católica e o governo deste partido, que nunca negou a identificação com os postulados do catolicismo.
Os exemplos do peso dos valores católicos na alta política polonesa são muitos. O mais recente é a luta do Lei e Justiça para conseguir a restrição do aborto, o que fez em outubro com que milhares de mulheres polonesas fossem às ruas para pedir mais liberdade para abortar.
A relação do governo é muito próxima com os setores mais conservadores da Igreja polonesa, inclusive o polêmico sacerdote redentorista Tadeusz Rydyk, fundador da emissora Rádio Maryja, da rede de televisão Trwam e da universidade de Ciências Sociais e Comunicação de Torun, no centro da Polônia.
Rydyk destacou-se pelo fervoroso apoio a movimentos ultraconservadores, apesar das chamadas de atenção de seus superiores, e também por declarações polêmicas, como quando considerou os judeus “ambiciosos” e induziu que eles governam a Polônia nas sombras desde 1939.
Os setores mais reacionários da sociedade polonesa, que estão na oposição após a vitória eleitoral do Lei e Justiça em 2015, pediram em repetidas ocasiões uma declaração política de entronização de Jesus Cristo como rei da Polônia, apesar de em março de 2008 o episcopado ter considerado que uma resolução assim seria “inadequada e desnecessária”.
Em março de 2010, milhares de pessoas manifestaram-se em Varsóvia com crucifixos, terços e bandeiras nacionais para pedir uma declaração conjunta de Estado e Igreja na qual Jesus Cristo fosse considerado rei honorário da Polônia.
Antes, em 2006, 46 deputados poloneses (10% da câmara), entre eles integrantes do Lei e Justiça, propuseram um projeto de lei para proclamar Jesus como monarca.
Esses parlamentares argumentavam que Jesus deveria ser feito rei por motivos teológicos e históricos, da mesma forma que a Virgem Maria, que foi declarada rainha honorária da Polônia pelo Rei João II Casimiro Vasa há 350 anos.
Diante daquela proposta, Tadeusz Pieronek, membro do episcopado da Polônia e reitor da Academia Papal de Teologia de Cracóvia, descartou a medida e afirmou que “Cristo não precisa de uma resolução parlamentar para ser o rei de nossos corações”.

Publicado em EFE via Exame

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.