Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Padre espanhol réu por pedofilia diz que amor era "cristão"

Padre Román Martínez, acusado de abusos em Granada
A Justiça da Espanha começou a julgar nesta semana o principal caso de pedofilia envolvendo a Igreja Católica no país, no qual o padre Román Martínez, o único réu, é acusado de ter cometido abusos em Granada, na Andaluzia, entre 2004 e 2007.
A primeira sessão do julgamento ocorreu na última segunda-feira (6), quando o sacerdote negou participação em qualquer crime e disse que seu comportamento seguia o “amor cristão”. Martínez faria parte um grupo chamado “clã dos Romanones”, suspeito de ter abusado de vários menores de idade.
No entanto, o processo diz respeito apenas às denúncias de um jovem contra o padre, já que os crimes dos outros integrantes da organização prescreveram. O caso chegou ao papa Francisco em 2014, quando o líder da Igreja Católica pediu perdão à suposta vítima em nome da Santa Sé e o incentivou a denunciar seu agressor.


Além disso, o Pontífice cobrou da arquidiocese de Granada a abertura de uma investigação, que até o momento afastou apenas três dos 10 sacerdotes suspeitos. Identificado como Daniel R., o denunciante tem hoje 27 anos e contou no tribunal, na última quarta-feira (8), que Martínez era “como um pai”.
“Ele me manipulou e me anulou por completo”, acusou, citando episódios de “masturbação, penetração e tentativas de felação” quando tinha entre 14 e 17 anos. Segundo Daniel, ele tinha uma relação de “dependência” com o padre, a quem via como o “todo poderoso” e como uma “referência moral e espiritual”.
Os abusos teriam acontecido em uma paróquia de Granada e em uma casa de propriedade de Martínez e outros sacerdotes, apontados como o “clã dos Romanones”, a quem o denunciante definiu como um “grupo de desequilibrados” e “virulento”.
“Nunca dei beijos na boca na minha vida e nunca os recebi”, garantiu Martínez em seu depoimento. “Não entra na minha cabeça dormir com outra pessoa”, acrescentou. Em uma carta apresentada como prova, o padre diz “te quero muito” (que em espanhol é equivalente a “te amo”) a Daniel, mas ele garante que o sentimento estava inserido no “contexto cristão” sobre amor. A Promotoria pede uma pena de nove anos de prisão para Martínez, além da proibição de se aproximar da suposta vítima e do pagamento de uma indenização de 50 mil euros por danos morais.
Já os advogados do jovem querem uma condenação a 26 anos de cadeia. Cerca de 40 testemunhas participarão do processo, incluindo o arcebispo de Granada, Francisco Javier Martínez, que havia desaconselhado o jovem a denunciar o caso. (ANSA)

Publicado originalmente em ANSA via IstoÉ

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.