Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Livro de italiana conta caso de sudanesa condenada à morte


Em 2014, o caso de uma sudanesa que foi condenada à morte por ter se casado com um cristão e por ter rejeitado o islamismo foi vastamente comentado na imprensa internacional, que acabou se mobilizando a favor da libertação da mulher e da anulação da sua pena. Quase três anos depois, a escritora do livro que conta essa história do início ao fim veio a São Paulo comentar seu trabalho. Trata-se da obra “Meu Nome é Meriam”, escrita pela jornalista italiana Antonella Napoli, uma das únicas profissionais do país que acompanhou a situação no Sudão, e que já conta com uma tradução em português.
O livro fala sobre o caso de Meriam Ibrahim Ishag, mulher que se casou com um cristão, Daniel Wani, e que foi acusada de apostaria (abandono da religião) por ter rejeitado a fé islâmica em nome do cristianismo. Grávida de oito meses e mãe de um menino de dois anos, a jovem foi condenada a cem chibatadas por adultério, por ter se casado com um cristão, e à morte for enforcamento por ter se recusado a abandonar sua “nova” fé. Meriam foi presa em maio de 2014 e acabou dando luz a sua filha, Maya, ainda na cadeia. Já em junho do mesmo ano, após uma grande mobilização internacional, um tribunal ordenou a sua libertação.


“Em um primeiro momento trabalhamos com um perfil baixo, procurando envolver as embaixadas para tentar bloquear a sentença [de Meriam]”, disse Napoli à ANSA durante evento no colégio italiano Eugenio Montale em São Paulo nesta segunda-feira, dia 24. “Depois o juiz quis seguir em frente, houve a condenação e naquele momento criamos a mobilização com um apelo que na Itália foi ouvido pelo ‘Avvenire’, o jornal católico mais importante do país, pelo primeiro-ministro da época, Matteo Renzi, e por muitos expoentes da cultura e do espetáculo. E essa mobilização cresceu até se tornar internacional. A pressão foi tão forte, grande, que conseguimos fazer com que a sentença fosse anulada e Meriam, libertada”, disse a jornalista italiana.
No entanto, quando a família da sudanesa tentava deixar seu país, a mulher foi presa novamente por um período de dois dias.
Após duas detenções e muito sofrimento, Merian, seu marido e seus dois filhos, que estavam abrigados na embaixada nos Estados Unidos, conseguiram sair do país. A primeira parada dos quatro foi à Itália, onde eles foram recebidos pelo ex-premier Matteo Renzi e pelo papa Francisco no Vaticano, que disse que a mulher é um exemplo de cristã que até ele deveria seguir. Depois disso, a família foi para a Filadélfia, nos Estados Unidos, de onde o marido de Meriam tem dupla cidadania. “A história de Meriam é particularmente importante porque é também uma mensagem de esperança. Em um momento no qual há uma perseguição a cristãos tão vasta e se fala pouco disso, apenas os atos de terrorismo impactantes que envolvem centenas de pessoas [são comentados], quis mostrar essa história para que se entendesse o radical problema [do Sudão]”, explicou Napoli. Segundo a escritora, ela descobriu a história da jovem sudanesa durante sua primeira viagem ao Sudão, que realizou para cobrir a crise de Darfur, região no oeste do país. Lá ela conheceu muitas realidades diferentes da sua e percebeu que na Itália se falava pouco desses conflitos e do país como um todo. “Não foi a Antonella que escolheu o Sudão, foi o Sudão que escolheu a Antonella. Por que, quando eu cheguei lá e vi com meus próprios olhos a realidade de Darfur, as crianças esqueléticas com as barrigas inchadas, as mulheres com os olhos abertos pela violência que sofreram, eu senti que a minha missão estava naquele lugar, eu precisava contar o que estava acontecendo”, explicou Napoli.

Publicado orginalmente em ANSA via IstoÉ Independente

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.