Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Primeira Igreja da Cannabis é proibida de usar maconha como sacramento

Sob o argumento da liberdade religiosa, “igreja” pediu autorização à Justiça norte-americana para o consumo da erva em estado onde seu uso recreativo é proibido
A sede da Primeira Igreja da Cannabis de Indiana, no Nordeste dos Estados Unidos, falhou em sua missão de conseguir, por vias judiciais, uma exceção à lei do estado para o consumo de maconha.
Na última sexta-feira (6), a Justiça do condado de Marion negou pedido feito pelo culto, que queria estabelecer o fumo da erva como um dos sacramentos da “religião”. No estado, o uso de maconha é permitido apenas com prescrição médica.
Em 2015, os representantes da igreja ajuizaram uma ação contra o Poder Público com base na lei de liberdade religiosa vigente em Indiana (Religious Freedom Restoration Act). A legislação visa proteger indivíduos contra proibições governamentais acerca de uma prática religiosa, a menos que haja razão suficiente para fazê-lo.
Nesse caso específico, a organização acreditava que as leis estaduais e federais a respeito do consumo da maconha deveriam ser postas de lado em prol da liberdade religiosa. A juíza responsável pelo caso, Sheryl Lynch, não se convenceu.
“Seria impossível combater o uso ilícito e o tráfico de drogas se, de forma fragmentada, passasse a se permitir o uso de entorpecentes para exceções religiosas, propício ao abuso (...). Simplesmente não há como adaptar essas leis [de drogas] sem prejudicar todo o esquema fiscalizatório”, escreveu a juíza na decisão.
Outro ponto observado pela magistrada na decisão foi o fato de que a Primeira Igreja da Maconha poderia se tornar um alvo para “ladrões, gangues e traficantes de drogas”, o que sobrecarregaria as forças policiais locais.
A liberdade religiosa encontra previsão na 1.ª Emenda à Constituição dos EUA, que traz que “o Congresso não fará lei relativa ao estabelecimento de religião ou proibindo o livre exercício desta, ou restringindo a liberdade de palavra ou de imprensa, ou o direito do povo de reunir-se pacificamente e dirigir petições ao governo para a reparação de seus agravos”. Segundo a juíza Sheryl Lynch, citando a jurisprudência norte-americana, no entanto, o Congresso do país pode, inquestionavelmente, controlar constitucionalmente o uso de drogas, ainda que a intenção do indivíduo seja de usá-las apenas para fins religiosos. Isso porque diversas substâncias são, comprovadamente, perigosas para o consumo humano.
Em seu perfil no Facebook, o fundador da igreja, Bill Levin, fez uma postagem sobre a decisão da Justiça. Levin escreveu que “nós amamos vocês. Nós perdemos. Recorreremos… e seguimos”.

Publicado originalmente em Gazeta do Povo

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.