Header Ads



ATUALIZADAS
recent

Família do rapaz alvejado por flechas na ilha proibida diz perdoar seus algozes

Família do rapaz alvejado por flechas na ilha proibida diz perdoar seus algozes
Hoje mais cedo vi algumas fotos do missionário John Allen Chau, de 27 anos, morto a flechadas pelos sentinelenses, e me pareceu uma rapaz bom, de bem com a vida, mas logicamente sem nenhuma noção de perigo. O jovem possivelmente acreditava ter alguma investidura divina que lhe salvaria das flechadas. Não era a primeira vez que Chau mergulhava em uma aventura perigosa e seu desejo maior era pregar pra os sentinelenses. Segundo seu diário, em outra tentativa de aproximação em outra ilha uma flecha teria acertado sua Bíblia.

- "Gritei: 'Meu nome é John, te amo e Jesus te ama'", escreveu Chau. - "Vocês podem pensar que estou loco por todo isto, mas creio que vale a pena levar a palavra de Jesus a estas pessoas."

A história da Ilha Sentinel do Norte é tão assustadora quanto fascinante. Ainda que ontem tenhamos afirmado uma população de aproximadamente 300 habitantes, os números são incertos e variam de 40 a 500. As ilhas de Andamã e Nicobar estão dispersas na conjuntura da Baía de Bengala e o Mar de Andamã. Foram colonizados pelo Reino Unido na década de 1850 e usadas como colônia penal, inclusive para dissidentes indianos e rebeldes envolvidos no levante de 1857 contra o governo britânico.
Em 1880, os colonizadores britânicos sequestraram seis sentinelenses, dois dos quais morreram pouco depois, possivelmente devido ao contato com doenças que não tinham imunidade. Os estudos do genoma sugerem que as quatro tribos nativas nas ilhas, das quais a dos sentinelense são as mais isoladas, têm ao menos 60.000 anos.
Mas a novidade que nos levou principalmente a retornar ao assunto hoje é o fascinante vídeo de um indiano chamado Shan, que decidiu pesquisar a história dos sentinelenses. De forma surpreendente descobrimos que houve uma exceção na recepção sempre agressiva do povo sentinela. Em 4 e janeiro de 1991, 28 mulheres, homens e crianças se aproximaram amigável e voluntariamente de um cara chamado Pandit, possivelmente achando que era o Papai Noel (você vai entender ao ver o vídeo). De qualquer forma é um pouco assustador como eles apalpam as gordurinhas do homem.


A família de Chau publicou em sua página do Instagram um post dizendo que perdoavam seus assassinos pedindo que libertem os pescadores que o ajudaram a chegar na ilha. A família descreveu o rapaz como um "filho, irmão e tio querido", bem como um missionário cristão entregue ao que fazia.
- "Ele amava Deus, a vida, ajudando os precisados e não tinha nada mais do que amor pelos sentinelenses. Perdoamos os supostos responsáveis por sua morte."

Publicado originalmente em MDig
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.