Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Religiosos se revezarão até domingo para ler as mais de 1,5 mil páginas da "Bíblia" no centro de Porto Alegre

Atividade, que teve início na segunda-feira, ocorre de forma ininterrupta no Largo Glênio Peres

Moisés disse ao povo:

— Então continuamos a viagem pelo deserto na direção do golfo de Ácaba, conforme o Senhor Deus me havia ordenado. E por muito tempo caminhamos sem rumo pela região montanhosa de Edom. Então, o Senhor me disse: "Já faz muito tempo que vocês andam por aí sem rumo. Agora, vão na direção norte". 

A voz de Karine Oliveira, 30 anos, ecoa pelos dois alto-falantes a íntegra do capítulo 2 do Deuteronômio, o quinto livro do Antigo Testamento.

"Assim rodeamos o país de Edom, deixando o caminho que vai de Elate e Eziom-Geber até o mar Morto e seguindo o caminho que vai até o deserto de Moabe. E o Senhor Deus me disse: "Não ataque os moabitas, que são descendentes de Ló, nem entre em luta com eles. Eu dei a eles a cidade de Ar e não darei a você nenhuma parte do país deles".

No texto bíblico, Moisés relembra aos judeus a travessia do deserto rumo à Terra Prometida. Na frente de Karine, uma visão bem diferente daquela do Pentateuco: pedestres a passos acelerados, indiferentes, a cavalaria da Brigada Militar, a famosa rodinha de pessoas em torno do artista que pula no meio de um círculo de facas e representantes de empresas de telefonia celular tentando abordar um que outro apressado trabalhador. Karine, a leitora, não se intimida e prossegue:


"Depois que atravessamos o país de Moabe, Deus nos disse: 'Continuem avançando e atravessem o rio Arnom, pois eu deixarei que vocês derrotem Seom, o rei dos amorreus, que mora na cidade de Hesbom. Lutem contra Seom e tomem a posse de terra dele'."

Um homem para, fecha os olhos e une as palmas das mãos na altura da cintura. Cláudio Almeida, 57 anos, o ouvinte, também tenta se concentrar entre um e outro conhecido que insiste em bater-lhe no ombro.

— Fala, Cláudio? — diz um passante no local.

— Por aí hoje, cara? — questiona outro.

Vendedor ambulante no Centro Histórico de Porto Alegre, Cláudio é popular por ali.

— Quando Deus está querendo falar para ti, ele diz: "Para aí". Foi o que eu senti e parei — diz ele, antes de voltar para ouvir a Palavra de Deus que sai da boca de Karine.


Cada pessoa lê por meia hora
Moradora de Cachoeirinha, ela integra o exército de 300 leitores que se revezam desde as 20h de segunda-feira até as 8h do próximo domingo para ler a Bíblia, do primeiro livro, o Gênesis, até o último, o Apocalipse, de forma ininterrupta. A ação, que ocorre pelo quarto ano consecutivo no Largo Glênio Peres, dentro de um contêiner azul aberto, ao lado do Terminal Parobé, é organizado pelo Grupo UM, Unidade de Líderes de Jesus das Igrejas de Porto Alegre, um movimento de jovens evangélicos, com apoio da Sociedade Bíblica do Brasil para celebrar a semana da Bíblia. Karine lê uma edição de letras graúdas, própria para a maratona em um lugar pouco propício à concentração. São ao todo 1.573 páginas. Cada um lê, em média, meia hora, enquanto os colegas se alternam atendendo aos curiosos que chegam.

— Tem gente que pede apenas para colocar o nome para oração — conta Rebeca Paz, 29 anos, a próxima da fila de leitura.

É o caso da dona de casa Berenice dos Santos de Sousa, 40 anos.

— Vamos, moça — apressava, preocupada que ainda teria que buscar remédio para os olhos.

Além de anotar o nome para a prece, Rebeca a presenteou com uma Bíblia.

— Fiquei feliz — saiu a senhora, sorridente.

A banda da BM toca à frente, um ônibus logo atrás do contêiner buzina bem na curva. Alguém grita ali perto:

—  Duas caixas de pêssego por R$ 5.

— Suco natural a R$ 2 — diz outro vendedor.

Depois de 30 minutos de leitura, Karina toma um gole d'água na garrafinha providencial e passa a vez para Rebeca. Não sem antes, uma autocrítica:

— Aqui, é mais complicado de entender o que se está lendo. Os livros históricos têm nomes de reis, cidades, guerras. É mais difícil de assimilar. É preciso prestar atenção no que se está lendo — diz ela.
Casais buscam bênção à união
Rebeca assume a leitura do Deuteronômio já no capítulo 12:

"As coisas dedicadas ao Senhor Deus e as ofertas prometidas devem ser levadas para o lugar que ele escolher, e ali no altar do Senhor devem ser oferecidos os animais que são completamente queimados. E ofereçam também em sacrifício os outros animais; despejem o sangue em cima do altar e comam a carne. (...)"


Enquanto isso, Karine explica:

— O Centro tem uma pressão espiritual muito grande porque há moradores de rua, embriagados que chegam, usuários de drogas.

Quando anoitece, o movimento diminui à frente do microfone e das caixas de som, as bancas da feirinha fecham e os ambulantes somem. É quando as vozes dos jovens ecoam com mais força. Outras histórias passam ali na frente do contêiner azul.

— Pastor, pode dar uma bênção — pediu um casal, unido apenas no civil.

E assim foi feita uma cerimônia religiosa ali, em pleno Centro no meio da madrugada. Houve também casais que se reconciliaram após uma briga apenas ouvindo a leitura. E até um jovem que, desesperado, intimou o grupo:

— Vocês têm cinco minutos para me falar de Jesus porque estou pensando em tirar minha vida.

A conversa durou bem mais do que cinco minutos, mas ele saiu dali com a promessa de seguir na batalha do dia a dia. A organização encaminhou ofício à BM pedindo segurança, e à noite, uma patrulha passa pelo local. Rebeca segue a leitura:

"Sigam as leis do Senhor, nosso Deus, temam a Deus, obedeçam aos seus mandamentos e deem atenção a tudo o que ele diz. Adorem somente a Deus e fiquem ligados com ele."

Quando entrega a leitura, o grupo está na página 270. Pelos cálculos, faltam 1.303.

Publicado originalmente em Gaúcha ZH

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.