Header Ads

ATUALIZADAS
recent

160 anos da Igreja Presbiteriana do Brasil


“Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” (1 Pedro 2.9)

Era 12 de agosto de 1859, quando o Reverendo americano, Ashbel Green Simonton, desembarcou em solo brasileiro para dar início à Igreja Presbiteriana do Brasil. A viagem aconteceu apenas dois meses após a sua ordenação pastoral. Simonton queria ser professor ou advogado, mas um reavivamento no ano de 1855 o fez despertar para sua profissão de fé. Pouco tempo depois, ingressou no Seminário de Princeton, para a preparação para o Sagrado Ministério.

Ele era um jovem missionário, de apenas 26 anos, quando selecionou o Brasil como um campo pretendido para seu ministério, após conhecer o trabalho da Junta de Missões da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos. O testemunho pessoal de um homem, sua história de despertamento missionário e investimento na evangelização em um local distante de sua pátria, foram algumas das formas usadas por Deus para iniciar um movimento que hoje impacta milhões de vidas.

CONTEXTO HISTÓRICO
O missionário chegou ao Rio no intuito de divulgar a fé reformada, como uma terceira tentativa de disseminar o protestantismo nas terras brasileiras. É que em duas oportunidades anteriores, expedições francesas e holandesas, respectivamente, não tiveram sucesso. A primeira, com os franceses, teve como fruto o primeiro culto protestante no Brasil e a Confissão de Fé de Guanabara. Já com os holandeses, em Pernambuco, houve até mesmo a criação de igrejas protestantes, mas com a “devolução” do nordeste à Portugal, país católico, a iniciativa perdeu força.

Em um cenário de domínio da Coroa Portuguesa e, portanto, da Igreja Católica, os missionários protestantes tinham como desafio, também, o sincretismo religioso já instaurado no país, uma vez que a fé católica romana, por muitos, era combinada com as religiões de matriz africana e com as crenças dos nativos.

Sua família tinha uma ligação com o país. Um de seus irmãos, James Snodgrass Simonton, morou aqui por três anos e foi professor na cidade de Vassouras, no estado do Rio de Janeiro. Uma irmã, Elizabeth Wiggins Simonton, casou-se com o Rev. Alexander Latimer Blackfor e acompanhou seu marido rumo ao Brasil.

O COMEÇO DE TUDO
Seu trabalho, apesar de breve (ele faleceu precocemente, apenas oito anos após sua chegada ao Brasil, aos 34 anos), rendeu frutos importantíssimos para o presbiterianismo brasileiro: ele fundou, em 1862, a primeira Igreja Presbiteriana do Brasil, no Rio de Janeiro, que hoje é a Catedral Presbiteriana da cidade; o primeiro jornal protestante do país, o “Imprensa Evangélica”, em 1864; o primeiro presbitério, em 1865; o primeiro seminário teológico, em 1867; a Igreja Presbiteriana em São Paulo e em Brotas; e também deu início aos trabalhos da Escola Bíblica Dominical.

A partir daí, a igreja caminhou em desenvolvimento, contando com a primeira ordenação protestante no Brasil, em 1865, do ex-padre José Manoel da Conceição. O presbiterianismo começou a se espalhar e chegou em outros estados, como Minas Gerais, a partir, principalmente, do interior, também fruto do trabalho do Rev. José Manoel da Conceição. Com o apoio de missionários da igreja presbiteriana dos Estados Unidos, a denominação alcançou outras regiões do país, como o norte e o nordeste.

Supremo Concílio em 1950, em Caratinga/MG.

HOJE EM DIA
Tendo sempre como base as Sagradas Escrituras, e inspirados pelos principais reformadores, a IPB desenvolve um importante trabalho no ensino da Palavra de Deus, a partir das Escolas Bíblicas e seminários teológicos; investe em evangelismo e missões, por meio da APTM, a Agência Presbiteriana de Missões Transculturais, da JMN, a Junta de Missões Nacionais, e da APECOM, a Agência Presbiteriana de Evangelização e Comunicação; tem um instituto de educação, o Mackenzie, participando da formação de profissionais em diversas áreas, da educação infantil ao doutorado; conta com uma editora, a Cultura Cristã; está presente na TV, por meio dos programas Cada Dia; além de milhares de outras frentes de trabalho em todas as igrejas do país, que atendem às necessidades dos membros e não membros das igrejas, de todas as idades e realidades sociais.

Mesmo diante dos desafios da contemporaneidade, há 160 anos, a IPB segue fundamentada e guardada, pela graça de Deus, em seus princípios-chave: a Bíblia, a Confissão de Fé de Westminster, o Catecismo Maior de Westminster e o Breve Catecismo de Westminster. Tudo para que o nome de Cristo seja conhecido e glorificado, até a sua volta.

ORGANOGRAMA DA IPB


Supremo Concílio → Sínodos → Presbitérios → Conselhos

Os Conselhos das igrejas são formados por Pastores (eleitos pela congregação ou indicados pelo Presbitério) e Presbíteros (eleitos pela congregação). Cada igreja conta também com Diáconos eleitos pelo voto dos membros e com Sociedades Internas ou Ministérios.

ESTATÍSTICAS DA IPB


86 sínodos
356 presbitérios
4003 igrejas e congregações
4581 pastores
649.510 membros

Publicado em Executiva IPB

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.