Header Ads

ATUALIZADAS
recent

Restos de um luxuoso palácio foram descobertos em Jerusalém

 

Esse artefato pode ter feito parte de um palácio real. Foto: Shai Halevi / Autoridade de Antiguidades de Israel.

Um luxuoso palácio de 2.700 anos foi descoberto em Jerusalém. Os achados incluem três capitéis de colunas de calcário e dezenas de itens de pedra, conforme um declaração da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA).
Os arqueólogos dataram o achado como da época do Primeiro Templo bíblico. Supostamente foi erguido pelo Rei Salomão, por volta de 1006 AEC. Contudo, chama atenção a forma das colunas, com um triângulo flanqueado por duas grandes espirais.

Descoberta foi uma das mais interessantes da região
Conforme o arqueólogo que dirigiu a escavação, Yaakov Billing, foi a primeira vez que encontraram um modelo em escala reduzida das capitais proto-eólias. Existem modelos semelhantes nos Reinos de Judá e Israel. “O nível de acabamento desses capitéis é o melhor visto até hoje, e o grau de preservação das peças é raro”, disse.
Foram encontrados fragmentos de cerâmica, que ajudaram a mostrar aos pesquisadores que o auge do palácio foi no começo do século 7 AEC. Além disso, Billig diz que as lâmpadas, os jarros e as panelas são todos desta época. Mas, serão feitos estudos no futuro para comprovar se realmente essa é a verdadeira idade dos utensílios.

O luxuoso palácio foi construído quando?
De fato, os arqueólogos suspeitam que o luxuoso palácio foi construído entre os reinados de Ezequias, que liderou Judá entre 715 e 686 AEC. e Josias, que foi rei num período entre 640 e 609 AEC. Essa descoberta é importante para mostrar o ressurgimento da região após o fim da invasão pelo rei assírio Senaqueribe, em 701 AEC.
“Revelamos vilas, mansões e prédios governamentais fora dos muros da cidade”, diz Billig no comunicado. “Isso testemunha o alívio sentido pelos moradores da cidade e a recuperação do desenvolvimento de Jerusalém após o fim da ameaça assíria”, completou.
A Autoridade de Antiguidade acredita que o dono da mansão pode ter sido um rei Judá ou quem sabe um nobre de Jerusalém.
Dois dos três capitéis conhecidos estavam enterradas no mesmo local. Provavelmente os invasores destruíram o restante durante a conquista babilônica de Jerusalém em 586 AEC. Por fim, novos edifícios foram construídos no local com o uso dos fragmentos sobreviventes.

Com informações de Smithsonian Magazine

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Tecnologia do Blogger.