ATUALIZADAS
recent

Contrabando de Bíblias: a antiga prática cristã


A maior história de contrabando de todos os tempos começou com um livro sagrado: a Bíblia. Essa obra foi infiltrada de um país para outro durante períodos tensos de intolerância religiosa, quando as pessoas não tinham a liberdade de acreditar no que desejavam.
Isso tudo começou em meados de 1550, quando o livro foi contrabandeado para Inglaterra, depois se estendeu de Israel para a Síria na década de 1990. Na era moderna, a prática aconteceu muito em países de regime comunista, apesar de ter um papel fundamental em todos os regimes ditatoriais, porque restringiam o acesso à literatura religiosa e violaram os direitos religiosos de seus cidadãos.
O contrabando foi dirigido por grupos protestantes privados de todo o mundo, sendo a organização católica russa cristã a mais notável entre eles. E, por mais que haja poucos estudos e dados sobre a história dessas organizações, nos países comunistas o poder delas de influência sempre foi temido pelas autoridades.
O reverendo David Hathway, um ex-contrabandista do Evangelismo Subterrâneo (uma das organizações protestantes antissoviéticas dos Estados Unidos, considerada a mais perigosa pela KGB), continuou a trabalhar na Europa Oriental após alegar que teve sucesso ao infiltrar a Bíblia, abalando a ideologia comunista. Pessoas como ele se arriscaram em viagens perigosas durante anos para transmitir a mensagem de que os cidadãos reprimidos não estavam sozinhos e de que existiam outras pessoas por aí procurando se certificar de que eles estavam recebendo conhecimento diferente do que o pregado pelo governo ao qual estavam submetidos.
Contudo, esses contrabandistas pagaram com a própria vida pela própria ousadia, sendo espancados, presos e fuzilados. Conforme a CBN News, só na Coreia do Norte, estima-se que, dos 300 mil cristãos no país, 70 mil estão em campos de concentração de trabalho forçado. No país, o simples fato de proferir o nome "Jesus" pode sentenciar uma pessoa a 15 anos de trabalho forçado.

A missão

Andrew van der Bijl, mais conhecido como Irmão Andrew, foi um operário holandês que começou a praticar o contrabando de Bíblia na modernidade, em 1955, no apogeu da Guerra Fria. Ele se juntou à Cruzada de Evangelismo Mundial em 1953, em que ouviu sobre a falta de Bíblias na Rússia.
Três anos depois, ele já ministrava para refugiados da Europa Oriental e havia fundado a organização Portas Abertas para apoiar seu trabalho com famílias de mártires e estudantes de seminário.
Com seu exemplo aos poucos se espalhando, de repente pessoas seguiam seus passos em países escandinavos, nos Estados Unidos, na Suíça, na Alemanha Ocidental e até na Holanda. Todos se ocupavam em angariar tradutores, produtores e impressoras para ajudar na fabricação de Bíblias destinadas às pessoas que as contrabandeavam.

Os meios


Com o passar dos anos, a prática de contrabando foi se tornando cada vez mais aprimorada para que as autoridades não descobrissem. Em 1961, a Missão do Leste Europeu, como ficou conhecida a mudança de vários casais do Texas para Viena e Áustria, contrabandeou o Novo Testamento impresso em letras tão pequenas, que passou despercebido, como um maço de cigarros no bolso de uma camisa.
As Bíblias também foram armazenadas em pneus, calças jeans e até emboladas em feno prensado. Atualmente, o livro é colocado em pen drives e flutuado em balões ao longo da fronteira de países como a Coreia do Norte.
Cinquenta anos depois do início das missões de contrabando, os europeus já assumiram seu papel de liderança, produzindo Bíblias para escolas na Ucrânia e na Rússia. O contrabando até patrocina competições em que crianças disputam seu conhecimento sobre o livro e ganham prêmios.
Atualmente, no leste europeu, a Bíblia é impressa em mais de 20 idiomas, sendo redistribuída para grupos de jovens durante o verão ucraniano.

Mega Curioso

Nenhum comentário:

Fico muito feliz pelo seu interesse em comentar esta notícia.

Lembro que a legislação brasileira prevê a possibilidade de responsabilização do blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários.

Sendo assim, me reservo o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa.

Enfim, gostaria de lhe pedir a gentileza de se identificar com seu nome e e-mail.

Obrigado.

Tecnologia do Blogger.